Especialistas derrubam mitos sobre macarrão e outras massas e as incluem na dieta

Especialistas derrubam mitos sobre macarrão e outras massas e as incluem na dieta

Atualizado: Segunda-feira, 25 Outubro de 2010 as 9:56

O macarrão já foi o primeiro a ser banido do cardápio de quem queria emagrecer, mas agora ele voltou a ser o queridinho dos especialistas em nutrição. Um dos ingredientes principais da dieta mediterrânea, associada a um índice mais baixo de distúrbios como diabetes, hipertensão e problemas cardiovasculares, a massa virou aliada da boa alimentação. Tanto que, a partir de hoje, véspera do Dia Mundial do Macarrão, especialistas do mundo todo vão se reunir no IV World Pasta Congress, no Rio, para discutir as inúmeras formas benéficas de incluir as massas nas refeições do dia a dia.

- A massa, principalmente a integral, é rica em fibras e vitaminas E e do complexo B. Sem molhos gordurosos e acompanhada de um vegetal e uma carne magra é uma refeição balanceada e nutritiva - diz a nutricionista Vanderli Marchiori, da Associação Paulista de Nutrição e uma das representantes do Brasil no congresso.

No cardápio cotidiano, as massas podem substituir a porção de arroz ou a batata. Mas nada de incrementá-las com queijos, molhos à base de creme de leite, bacon e calabresa. No macarrão saudável, o queijo parmesão fica limitado a uma colher de sopa. O azeite é permitido, mas também com muita moderação.

Colocar a massa na geladeira depois de cozinhá-la reduz carga glicêmica

A nutricionista Patrícia Davidson Haiat, do Centro Brasileiro de Nutrição Funcional, alerta que os amantes do macarrão devem ficar de olho no índice glicêmico do prato. Como a massa, principalmente a de farinha refinada, é de fácil digestão, ela é absorvida muito rápido pelo organismo e acaba não matando a fome por muito tempo. Aumenta ainda a quantidade de açúcar no sangue, favorecendo o acúmulo de gordurinhas. Para não sabotar a dieta, basta tomar alguns cuidados, como escolher a massa grano duro, prepará-la sempre al dente e nunca comê-la sem uma proteína ou um vegetal.

- Outra dica é pôr a massa na geladeira depois de cozinhá-la. Com isso, ocorre a formação do amido resistente, que também proporciona a redução da carga glicêmica da refeição e ainda vira uma deliciosa salada fria - ensina Patrícia.

Para não errar no preparo, há alguns truques. A chef Nick Chaves Barcelos, do Lorenzo Bistrô, diz que o primeiro passo do macarrão perfeito é não pôr óleo ou azeite na panela.

- A gordura não adere na massa por igual e o cozimento fica prejudicado. Basta um pouquinho de sal e pronto. Para acertar no ponto do al dente, parta o macarrão com o dente ou um garfo. A massa deve estar macia, mas não mole demais, e sem o interior esbranquiçado.

As combinações favoritas da chef e das nutricionistas incluem o macarrão com molho sugo incrementado com tomates picados, abobrinha ou berinjela, brócolis no alho e óleo com atum, vegetais variados com camarões ou lula salteados no azeite, e o molho branco feito de iogurte ou ricota defumada com o açafrão. Para não exagerar no sal, tempere o prato com ervas frescas como manjericão e tomilho.

Apesar das vantagens, os brasileiros estão longe de ser grandes consumidores de massa. Por ano, são consumidos apenas 6,4kg por habitante contra 26kg na Itália e 12,9kg na Venezuela, segundo dados da Associação Brasileira das Indústrias de Massas Alimentícias (Abima). Para a engenheira de alimentos Rosamaria Da Re, mestre em Tecnologia de Cereais pela Unicamp, a tendência da indústria nos próximos anos é deixar o macarrão ainda mais saudável. Como os pães e os iogurtes, o alimento em breve será funcional:

- Cada vez mais, as empresas estão buscando enriquecer o macarrão com fibras, soja, farelo de trigo e trigo integral. Para as crianças, a tendência são as massas com vitaminas.

Massas feitas com quinoa, amaranto, arroz, feijão verde e milho são uma boa opção para quem não pode comer glúten. Apesar de nutritivas, não são indicadas para quem quer perder peso. Segundo Patrícia Davidson, todas engordam como o macarrão tradicional.

veja também