Faça receitas mais nutritivas com estas 10 dicas

Faça receitas mais nutritivas com estas 10 dicas

Atualizado: Quinta-feira, 17 Novembro de 2011 as 2:48

Pode esquentar o azeite? Vale a pena trocar o açúcar refinado pelo mascavo? E se, em vez de comer tomate na salada, você usar molho ao sugo no macarrão? O que aparece como dúvida na hora de fazer as refeições acaba sendo traduzido como perda - ou ganho! - pelo seu organismo na hora da digestão. E a questão aqui não é somente evitar doenças, como diabetes ou hipertensão, mas aproveitar ao máximo os nutrientes que cada alimento oferece. "Em alguns casos, até os enlatados podem se tornar boas opções.  

Conhecer as propriedades dos alimentos e ter o hábito de ler os rótulos do que você consome é indispensável um excelente método para manter uma dieta saudável", afirma a nutricionista Débora Rosa, nutricionista da clínica Silabor, em São Paulo. Ela a nutricionista funcional Sandra da Silva Maria, da Clínica Gastro Obeso Centre, ajudam você a definir a melhor forma de preparo para as receitas, além de recomendar alimentos que merecem lugar de destaque no seu cardápio. 

Azeite 

1.Azeite cozido: ao submeter o azeite a altas temperaturas, ele é transformado em substâncias tóxicas ao organismo. "Além disso, quando submetido a altas temperaturas, o azeite perde suas propriedades benéficas", afirma Débora Rosa, nutricionista da clínica Silabor, em São Paulo. 

2.Azeite cru: prefira consumir o azeite frio e cru para conservar as propriedades que ele oferece ao organismo - rico em gordura monoinsaturada, o tempero tem ação anti-inflamatória e pode ajudar na prevenção a doenças cardiovasculares e ao câncer.

Sardinha 

1.Sardinha fresca: a sardinha é um alimento rico em ômega-3 (gordura poli-insaturada com propriedades anti-inflamatórias que baixam os níveis do mau colesterol , LDL, e aumenta o colesterol bom, HDL, no sangue. Segundo Débora, é na versão natural que o ômega-3 é encontrado em maior intensidade. Prefira consumir este peixe grelhado ou assado, para que não haja adição de óleo. 

2.Sardinha em lata: o ômega-3 também é encontrado na versão enlatada da sardinha, mas em menor quantidade. "A sardinha em lata é mais prática, além de trazer doses maiores de cálcio do que a fresca. As espinhas, que são fonte deste nutriente, tornam-se mais maleáveis e acabam sendo engolidas", diz a nutricionista da Silabor. No entanto, ao optar pela sardinha em lata, evite consumir óleo que conserva o peixe.  

Tomate 

1.Tomate: este alimento possui licopeno, substância que tem sido alvo de muitos estudos indicando seu poder de prevenção de vários tipos de câncer. A cada 100g de tomate, encontramos de 3,1 a 7,4 mg de licopeno. Além disso, ele é fonte das vitaminas C, de vitaminas do complexo B e de vitamina A. 

2.Molho de tomate: neste caso, a versão in natura perde para a versão processada.

veja também