Os sabores da Bíblia - 1ª parte

Os sabores da Bíblia - 1ª parte

Atualizado: Segunda-feira, 5 Abril de 2010 as 12

Chega a Semana Santa. Um tempo para refletir sobre a vida. Inclusive sobre as relações entre o homem e os alimentos, em uma dimensão de fé. A religião, bom lembrar, nasceu com o próprio homem. Todas as civilizações tiveram deuses feitos à sua imagem e semelhança. Os deuses gregos, por exemplo, não sabiam perdoar. Os egípcios puniam quem não lhes obedecia. Aos poucos, tudo foi mudando. Os muitos deuses, em quase todas as culturas, acabaram um só - onipotente, criador do universo, puro, misericordioso, síntese da perfeição. A violência e a vingança dos primeiros tempos foram convertidas em compaixão e perdão. A Bíblia é testemunho desse Deus que hoje professamos. Bíblia vem do grego "biblion" (livros); e, não por acaso, são muitos esses livros: 46 no Antigo Testamento, escritos em hebraico e aramaico, anteriores ao nascimento de Cristo; e 27 no Novo, em grego, depois da morte daquele que veio ao mundo para nos salvar. Todos traduzidos para o latim, por São Jerônimo, no século IV, em uma versão definitiva denominada "Vulgata".

A Bíblia se ocupa de quase tudo. Da origem do universo e do homem, de Noé e dos patriarcas (Gêneses), da fuga dos hebreus (Êxodo), de como vagaram no deserto (Números), da fidelidade aos mandamentos (Deuteronômio), da organização dos cultos (Levítico) e sobretudo da vida de Jesus (Evangelhos). Em cada uma dessas passagens estão hábitos do povo de Deus. Inclusive alimentares. O Eclesiastes ensina que "há tempo para plantar e tempo para arrancar o que foi plantado" (3, 2); e que "comer, beber e gozar do fruto do seu trabalho é um dom de Deus"(3, 13). Alimentos estão ali bem separados: os proibidos e os permitidos; os destinados aos rituais de sacrifício e aqueles usados só como remédio; contando-se até a serventia dos utensílios, na cozinha e na mesa.

Até o primeiro pecado está ligado aos sabores. "Deus fez brotar da terra toda sorte de árvores de aspecto agradável, e de frutos bons para comer; e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore da ciência do bem e do mal... disse podes comer do fruto de todas as árvores do jardim; mas não comas do fruto da árvore da ciência do bem e do mal; porque no dia em que dele comeres, morrerás indubitavelmente". (Gênesis 2, 9-17). Dando-se que Eva (em hebraico, "costela") não resistiu "ao fruto da árvore que era bom para comer, de agradável aspecto e muito apropriado para abrir a inteligência, tomou dele, comeu, e o apresentou também ao seu marido que comeu igualmente" (Gênesis 3, 6). Razão porque sofreram, ela e esse marido Adão (em hebraico, "aquele que veio da terra"), severo castigo: "Tirarás da terra com trabalhos penosos o teu sustento todos os dias de tua vida. Ela te produzirá espinhos e abrolhos, e tu comerás a erva da terra. Comerás o teu pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de que foste tirado; porque és pó, e em pó te hás de tornar". (Gênesis 3, 17-19).

RECEITA: FIGOS COM CREME DE QUEIJO DE CABRA

INGREDIENTES:

500 g de figos frescos 250 g de melão Azeite Grãos de mostarda Geléia de framboesa Alface americana PARA O MOLHO:

350 g de queijo de cabra 100 ml de creme de leite (de caixa) 1 colher de café de alecrim fresco 1 colher de café de salsa picada 1 colher de café de hortelã picada Sal e pimenta do reino   PREPARO:

- Corte os figos em gomos. Corte fatias de melão muito finas e enrole em forma de rosas. Reserve.

- Prepare o molho misturando, no liquidificador, queijo e creme de leite. Depois junte (sem bater mais) alecrim, salsa, hortelã. Tempere com sal e pimenta a gosto. Reserve.

- Arrume em pratos individuais. Forre com alface americana (temperada com azeite, vinagre, sal, açúcar, pimenta). No centro coloque a rosa de melão. Envolta dela, os gomos de figo; e sobre eles colheradas do molho de queijo de cabra, pingos de geléia e os grãos de mostarda (antes salteados em frigideira quente, sem gordura).

Por: Lecticia Cavalcanti

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também