Ração humana: vantagens e desvantagens

Ração humana: vantagens e desvantagens

Atualizado: Segunda-feira, 6 Dezembro de 2010 as 11:04

Entenda de quais maneiras o produto pode ajudar e em que ponto pode ser prejudicial à saúde:

Tire proveito

- O uso contínuo e correto da ração humana pode proporcionar melhora no funcionamento do intestino. “Isso acontece devido à boa quantidade de fibras presente no farelo de trigo, na semente de linhaça, na aveia e no gérmen de trigo, que contribui para os movimentos intestinais, além de proporcionar uma flora microbiana mais saudável”, explica a nutricionista Elaine Pádua. Como necessitamos de cerca de 30g diários de fibras, o mix de cereais pode contribuir para atingir essa quantidade ideal. De qualquer maneira, para obter esses benefícios, você deve manter hábitos de vida saudáveis e ingerir bastante líquido durante o dia.

- A ração humana não faz milagres, mas pode sim contribuir para o emagrecimento. Por conta da significativa quantidade de fibras solúveis, proporciona atraso no esvaziamento gástrico, ou seja, promove sensação prolongada de saciedade. Isso quer dizer que pode ser uma aliada na dieta, fazendo com que a fome diminua e tornando mais fácil comer menos coisas gordurosas. Nesse sentido, alguns ingredientes se destacam. É o caso da aveia, que contém betaglucana, fibra solúvel, capaz de impedir ou influenciar na absorção de gorduras da dieta, controlando, inclusive, o colesterol.

- Controle da menopausa: um dos ingredientes da ração é o extrato de soja, que possui isoflavona, composto com estrutura semelhante à do hormônio estrógeno, que ajuda a diminuir sintomas da menopausa, como calores repentinos e irritabilidade. Além disso, outros ingredientes, como a linhaça, também atuam positivamente no controle hormonal das mulheres.

Fique atento

- Na tentativa de emagrecer, muitas pessoas têm trocado refeições inteiras pela ração humana. Esse tipo de hábito é extremamente prejudicial à saúde. “Quando consumida dessa maneira, pode comprometer a obtenção de nutrientes normalmente ingeridos nas principais refeições e de suma importância para o organismo. Um único tipo de alimento não pode assegurar todas as necessidades nutricionais”, destaca Elaine. A ração deve ser usada nos lanches ou no café da manhã. Além disso, o ideal é manter sempre um cardápio variado para obter uma boa gama de nutrientes e investir em frutas, legumes e verduras.

- O consumo de fibras é essencial para manter o bom funcionamento do intestino. Porém, se não for aliado à ingestão regular de água (no mínimo 2 litros por dia), pode desencadear o efeito inverso. “Na verdade, todas as pessoas que consomem a ração humana devem aumentar o consumo de água, para evitar que o intestino fique preso”, ressalta a nutricionista Isabel Jereissati. O consumo de fibras também deve ser adicionado aos poucos na dieta alimentar. “Quem não está acostumado a consumir muita fibra pode ter o efeito oposto ao desejado”, alerta Isabel.

- A crítica de muitos especialistas diz respeito à quantidade de cada ingrediente da ração. Isso quer dizer que, a cada porção do alimento, você consome uma quantidade muito pequena dos grãos e cereais que o constituem. Assim, pode deixar de aproveitar integralmente suas propriedades. Por isso, muitos nutricionistas indicam o consumo separado e alternado de cada um dos ingredientes ao longo da semana.

Contraindicações

A receita tradicional de ração humana pode ser contraindicada em alguns casos, já que seus ingredientes podem ser impróprios para certas pessoas. “O guaraná em pó, por exemplo, pode não ser indicado por causar irritabilidade, insônia ou taquicardia e deve ser retirado da composição se for usada por gestantes ou pessoas com gastrite e úlcera estomacal”, destaca a nutricionista Lilian Speziali. Já a aveia, que contém glúten, é imprópria para celíacos e o açúcar mascavo não deve ser consumido por diabéticos. Algumas pessoas podem apresentar também alergia à linhaça ou, se sofrerem de síndrome do intestino irritável, podem sentir dores de cabeça e aumento na frequência das evacuações.

veja também