Tão boa quanto a tradicional, só que mais rápida

Tão boa quanto a tradicional, só que mais rápida

Atualizado: Sexta-feira, 16 Abril de 2010 as 12

Tajine é um cozido densamente aromático, de preparo lento, característico do norte da África. Tradicionalmente preparado e servido em vasilhas individuais de cerâmica, costuma ser disposto sobre o cuscuz de sêmola e acompanhado de cordeiro.

Esta nossa versão não é a tradicional: é mais rápida e pede uma caçarola pesada. Feita com coxas de frango, trigo grosso, grão-de-bico e damasco seco, dá um superjantar americanizado de um só prato, com a possibilidade de variações quase infinitas e de preparo rápido o bastante para fazer a qualquer hora, apesar da longa lista de ingredientes.

As coxas de frango, sem pele, dão sabor e não requerem horas de cozimento - doure-as bem e retire. Se sobrarem pedacinhos no fundo, raspe a panela e aproveite-os quando for refogar a cebola e o alho.

Gosto de usar um mix de gengibre, coentro, cominho e canela - uma mistura quente e exótica sem ser predominante. Mas não se sinta limitado por minha dosagem. Se achar que deve alterar a proporção, ou esquentar a receita com um pouco de chile, fique à vontade.

Acrescente o damasco seco (ou outra fruta seca), tomate, grão-de-bico e caldo e deixe a mistura ferver. Cozinhe até que o sabor comece a se uniformizar; aí, devolva o frango à caçarola. Quando estiver quase pronto, acrescente o trigo grosso - aqui também você pode substituir por sêmola - e deixe no fogo até o total cozimento, ficando de olho e adicionando mais líquido se necessário.

Quando o trigo estiver macio e a carne de frango praticamente se soltar do osso, o tajine estará pronto. Enfeito com salsinha, mas coentro também vai bem. E, como disse, as possibilidades de combinação nesta receita são quase infinitas.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também