Argiloterapia: tratamento natural para os cabelos

Argiloterapia: tratamento natural para os cabelos

Atualizado: Terça-feira, 8 Fevereiro de 2011 as 9:35

Desde a antiguidade, povos Chineses e Hindus já tiravam proveito dos ‘poderes’ da argila, obtendo excelentes resultados e rápida recuperação devido a grande variedade de minerais que ela possui. Há cerca de 3000 AC, os Egípcios também já a usavam como medicamento e mumificação de seus mortos. Na Roma 1000 AC, o médico naturalista Plínio produzia seus remédios com argila. Seus efeitos eram tão promissores que chegou a dedicar um capítulo inteiro sobre a mesma em seu livro “A História da Argila Natural e seus benefícios na Humanidade”.

Além de minerais, a argila também contém silicato de alumínio, além de diversos oligoelementos, como titânio, magnésio, cobre, zinco, alumínio, cálcio, potássio, níquel, manganês, lítio, sódio e ferro.

Suas propriedades variam conforme sua composição, porém quase todas são ativadoras do metabolismo, absorvente, bactericida, antisséptica, analgésica, cicatrizante e desodorante (todas essas propriedades são ativadas quando a argila é umedecida). Em contato com o couro cabeludo, ela tonifica, desintoxica e elimina as células mortas. Nos fios, tem ação antioxidante e a sua quantidade de nutrientes garante que os fios fiquem mais saudáveis, revitalizados e hidratados profundamente.

Os tipos de argila mais usados para tratamentos capilares são os de cor verde, que é tonificante, estimulante e adstringente, e também a cor preta, que combate a seborréia, a oleosidade e ainda tem ação antioxidante. Os tratamentos feitos com argila estimulam a microcirculação do couro cabeludo e fortalecem as suas defesas naturais contra estresse, poluição e processos químicos.

O tratamento com a argila pode ser feito toda semana e não existe um número exato de aplicações para que o cabelo fique com um aspecto mais saudável, pois o tempo de uso e a quantidade das aplicações variam de acordo com o estado em que o cabelo se encontra.

veja também