Casos de herpes e micoses aumentam no verão

Casos de herpes e micoses aumentam no verão

Atualizado: Quarta-feira, 10 Dezembro de 2008 as 12

A proximidade do verão traz também o aumento da incidência de doenças típicas da estação, como micoses e herpes. Clínicas de tratamento da capital já registram crescimento do movimento de pacientes à procura de solução para estes problemas. A Clínica de Dor, dirigida pelo médico Geraldo Carvalhaes, recebeu agora em novembro 20 pacientes com casos de micoses e herpes, vários deles em estágios avançados. "A estação quente do ano é também a que exige mais cuidados com a saúde. A umidade e o calor e a exposição excessiva ao sol são fatores que desencadeiam diversas doenças. As mais comuns e, ao mesmo tempo mais tradicionalmente incomodas de serem tratadas, são a herpes e as micoses", comenta.

A micose é uma infecção causada por fungos que precisam de calor e umidade para sobreviver. Ela aparece com mais freqüência neste período já que as pessoas não se enxugam imediatamente quando saem de banhos de piscina e mar. As regiões do corpo mais propícias para a proliferação destes fungos são as dobras, como virilha, e entre os dedos. Os sintomas da doença são vermelhidão, coceiras e alterações na pele, além de lesões que se apresentam de forma particular, de acordo com o tipo e a extensão da micose.

Segundo Carvalhaes existem dois tipos de micose, a superficial e a profunda. No primeiro caso, os fungos ficam na parte externa da pele, ao redor de pêlos ou nas unhas, alimentando-se da queratina presente no órgão. Na micose profunda, a situação é mais preocupante, pois os fungos se disseminam através da circulação sanguínea e linfática, chegando até mesmo a infectar a pele e os órgãos internos.

Para prevenir o aparecimento da doença é aconselhável ter práticas saudáveis de higiene, como manter o corpo limpo e seco, evitar andar descalço em pisos úmidos ou públicos e usar roupas e meias de algodão. "Nunca coce a região, isso faz os micróbios penetrarem nas unhas e pode espalhar a doença", orienta Carvalhaes.

O especialista explica que o tratamento vai depender da região afetada. Se ela for mais externa, o médico indica infiltrações subcutâneas de gás com ozônio (terapia bioxidativa) e aplicação de óleo de uva ozonizado. Dependendo do caso, a doença é totalmente curada com três a quatro aplicações.

A herpes simples também é outra doença que pode se complicar no verão. Causada pelo vírus HVS (Herpes Vírus Simples), a doença está diretamente causada por fatores estressores. A forma simples não tem cura e é geralmente contraída pelos mais jovens. O vírus pode se localizar em todas as mucosas (nariz, boca, ânus e órgãos genitais).

Quem tem a doença convive com o vírus o ano todo, mas sofre mais com as crises no calor. Estima-se que 80% das pessoas estejam contaminadas pelo vírus da Herpes, mas somente em 20% dos casos ele se manifesta depois de situações de estresse, que baixam a resistência imunológica.

O sol em excesso e sem proteção também favorece a manifestação do vírus. "A exposição ao sol, principalmente entre 10h e 16h, sem protetor solar, é um facilitador para as feridas da herpes, pois baixa a resistência do organismo", explica Carvalhaes.

Uma das formas de prevenção da herpes é tomar sol com moderação, manter lábios bem hidratados, evitar o sol forte, tomar bastante líquido para hidratar a pele e a mucosa da boca, ingerir vitamina C, levar uma vida saudável alimentando-se bem e privilegiando frutas e verduras e dormir suficientemente para descansar e aliviar o estresse.

veja também