Depilação após os 35 anos pede métodos menos agressivos

Depilação após os 35 anos pede métodos menos agressivos

Atualizado: Sexta-feira, 9 Março de 2012 as 11:16

Após os 35 anos, a mulher sofre grandes alterações no organismo. Naturalmente, o corpo diminui a produção do colágeno e sofre com alterações hormonais. Na pele, tais mudanças se refletem na perda de elasticidade. Por isso, mulheres nesta faixa etária devem optar por procedimentos estéticos menos agressivos, principalmente os realizados periodicamente, como a depilação. 

Quem ainda tem tempo e paciência para encarar a cera - processo que exige ao menos 20 dias de espera entre uma depilação e outra - deve evitar banhos quentes e longos antes do procedimento, pois eles removem a hidratação natural da pele, já comprometida. Além disso, é necessário fracionar a região antes de depilar com a cera, puxando os pelos na direção correta, para evitar a flacidez e foliculite. Se a pele for extremamente sensível e alérgica, é necessária orientação médica para a indicação de produtos especiais. 

Leves esfoliações no banho, dias antes da depilação, com auxílio de bucha vegetal, também são boas opções, tanto para quem depila com cera, como para quem usa a lâmina. Repita a operação logo depois da depilação, utilizando ainda cremes calmantes à base de camomila e Aloe Vera para hidratar a pele.

Na menopausa, o cuidado deve ser redobrado. Além de estar mais fina e sensível, a pele pode sofrer com o aumento de pelos faciais, já que o nível de dihidrotestosterona (DHT) - hormônio que estimula seu aparecimento - está alterado e pode levar à formação de pelos grossos no rosto, principalmente no queixo. Neste caso, para por fim a eles o mais indicado é o tratamento a laser. “É importante tratá-los o quanto antes, porque se os pelos ficarem brancos, o laser não será eficaz”, ensina Luanna Portela, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Vantagens e desvantagens do laser
Vale lembrar que quem recorre ao método para eliminar definitivamente os pelos pode não obter o resultado desejado, já que, em alguns casos, ele apenas reduz seu aparecimento. “O laser destrói o folículo piloso, mas isso não significa que novos pelos não possam surgir”, esclarece Luciana Macedo de Oliveira, dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia.

Na fase adulta, peles morenas e negras devem ser tratadas com mais atenção no caso do laser. Isso porque a melanina da pele se confunde com a do pelo, provocando manchas escurecidas. Mulheres grávidas, com doenças imunológicas ou com lesões nos locais de aplicação não devem optar pelo tratamento. É importante ressaltar que, no caso do laser, assim como o crescimento dos pelos, a dor também difere de acordo com o indivíduo. 

Todos os lasers são eficazes, desde que utilizados por profissionais habilitados, mas o tratamento é de longo prazo. Milene Lapa, gerente da clínica Depilaser, em São Paulo, comenta que o preço e número médio de sessões varia de R$ 100 a R$ 500, conforme a região do corpo. “O buço custa, em média, R$ 100. A axila, R$ 250. A virilha fica por R$ 275; meia perna, R$ 560 e a coxa, R$ 575.” São necessárias, no mínimo, cinco sessões, com manutenção de duas a três vezes ao ano. 

FICHA TÉCNICA
Nome do tratamento: depilação a laser.
Indicação: redução permanente dos pelos.
Preço médio: de R$ 100 a R$ 500.
Sessões necessárias: mínimo de cinco sessões - manutenção de duas a três vezes ao ano.
Benefícios: redução do crescimento dos pelos do rosto e corpo, de forma rápida e eficaz.

veja também