Dolce & Gabbana renova paixão por seleção italiana

Dolce & Gabbana renova paixão por seleção italiana

Atualizado: Quarta-feira, 16 Junho de 2010 as 9:30

Os estilistas italianos Domenico Dolce e Stefano Gabbana podem ter diferentes pontos de vista sobre o futebol italiano, mas são unânimes no apoio à seleção italiana - a Azzurri - dentro e fora de campo.

A dupla - cujos uniformes vestem os jogadores italianos fora do campo pela segunda Copa do Mundo, depois do sucesso de 2006 - está entre os vários estilistas que exploram a influência dos jogadores sobre os torcedores para reforçar a imagem da marca e as vendas.

No entanto, eles disseram que torceriam para a Itália de forma genuína quando a seleção italiana enfrentasse o Paraguai no jogo pelo Grupo F de segunda-feira.

Domenico Dolce, torcedor do AC Milan, disse que ama futebol desde criança e que nunca perde um jogo quando a partida ocorre no estádio San Siro, de Milão.

- Vamos torcer pela nossa seleção vendo TV.

Stefano Gabbana não é um torcedor tão fanático como Dolce, mas disse que grudaria na TV também.

- Com certeza, não perderemos uma partida.

Dolce e Gabbana, cuja paixão pela Copa data de 2003 quando publicaram um livro chamado Calcio ("Futebol", na tradução l), contrataram cinco jogadores italianos para sua campanha da coleção de "underwear" (roupas íntimas). Fotos similares em 2006 contaram com o capitão Fabio Cannavaro e Gennaro Gattuso, entre outros.

Fotografado num vestiário vintage, os jogadores Antonio Di Natale, Vincenzo Iaquinta, Claudio Marchisio, Federico Marchetti e Domenico Criscito posaram sem camisa e de cueca, com a palavra "calcio" na frente.

A campanha confirma o apelo da Copa do Mundo para os estilistas.

Simon Chadwick, professor de Estratégia de Negócios Esportivos e Marketing na Coventry University, na Inglaterra, afirmou que "em geral aceita-se que as estrelas dos esportes são uma forma eficaz de aumentar as vendas, mas também de mudar a percepção de uma marca".

- Há também uma vantagem clara em se associar a jogadores com visibilidade mundial.

Por: Antonella Ciancio

veja também