Emagreça com o poder da mente

Emagreça com o poder da mente

Atualizado: Sexta-feira, 1 Outubro de 2010 as 9:39

Não se trata de mágica ou coisa do além. O segredo é reprogramar seus pensamentos e suas atitudes para fazer as pazes com a comida e conquistar o corpo que sempre quis. Duvida? A gente mostra que você pode!

Emagrecer esetá na cabeça

Imagine comer as coisas que você adora sem se preocupar com a balança ou o espelho. E emagrecer. É o sonho de qualquer mulher que já fez dieta, não? É também o que propõe a psicoterapeuta Walkyria Coelho no curso Spa Mental, da Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística (SBPNL). A ideia não é pregar o fim das dietas nem dizer o que você pode ou não comer, mas mostrar que é possível perder peso usando a cabeça. "O método utiliza exercícios mentais para refazer a relação com a comida e com o corpo e buscar um estilo de vida mais magro", fala Walkyria.

Quando você pensa em começar uma dieta, seu organismo entra em estado de alerta. Então, o impulso de comer para compensar o que semana que vem vai estar proibido mais o stress pela situação de pressão fazem a maioria das tentativas ir por água abaixo em pouco tempo. Aí vêm desânimo, tristeza e até raiva de si mesma. "Quando você agride seu corpo, ele reclama, acumulando gordura, sentindo dores e desenvolvendo doenças", diz Walkyria. Para ela, privar-se e comer demais ou aquilo que não dá prazer são formas de violência. Fazendo as pazes com ele, você recupera o equilíbrio para conseguir emagrecer."

Só do bom e do melhor Você não joga lixo na rua nem no chão de casa. Por que iria jogá-lo para dentro do seu corpo? Use essa lógica na hora de comer e recuse o que não estiver de fato delicioso, não importa se é um bombom ou um pão com manteiga. "Antes de dar a segunda mordida, pergunte-se: isso está mesmo gostoso?", sugere Walkyria Coelho. "Se a resposta for algo do tipo ‘mais ou menos’, ponha de lado", ela diz. Nem pense em raspar o prato ou a panela só para não sobrar quando já estiver satisfeita. Assim, você exercita seu poder de escolha e se convence de que é merecedora do prazer de comer.

1 quilo de cada vez Em vez de colocar na cabeça que quer se livrar logo de 10 ou 15 quilos, concentre seu esforço em perder primeiro 1 ou 2. Quando chegar lá, passe à próxima meta. O processo pode demorar um pouco mais, mas estabelecer objetivos menores e mais fáceis de alcançar é uma maneira de valorizar pequenas conquistas e evitar frustrações.

Quatro minutos de pausa No self-service, em vez de encher o prato de uma vez, coloque menos comida e pense que pode repetir. Terminou? Espere quatro minutos antes de se servir de novo – enquanto isso, cheque suas mensagens no celular, converse com a amiga do lado, vá até o banheiro. "Esse é o tempo que o cérebro precisa para distinguir entre a vontade de comer e a fome", observa a psicóloga. Agindo assim, você certamente vai ficar satisfeita comendo menos do que se enchesse o prato de cara.

Geladeira sempre cheia Pode comemorar: você está liberada para rechear a geladeira com coisas que você gosta, desde que elas não tirem o espaço de frutas e vegetais e até de alguns alimentos light. Assim, quando bater a fome, vai poder comer algo que a satisfaz em vez de atacar aquele pão amanhecido ou macarrão de ontem porque não achou outra opção (você merece comer com prazer, lembra?). Sem falar que, tendo o que é gostoso à mão – e não à distância, como se osse proibido –, você relaxa do estado de vigilância que gera stress e a faz comer mais. Mais uma oportunidade de provar que é você que escolhe a comida, e não o contrário.

Comida em preto e branco Imagine seu prato favorito (quanto mais calórico, melhor!), com todas as cores e texturas. Chega a dar água na boca, não? Agora, tente visualizá-lo em preto e branco, como uma folha de jornal. Ainda parece apetitoso? Experimente esse exercício antes de cada refeição. "Comemos primeiro com a cabeça, ou seja, a imagem que se forma no cérebro vai definir o tamanho da fome. Deixando-a menos atraente, você vai ter menos vontade de devorar o prato quando estiver na sua frente", explica Walkyria.

Prazer além da mesa Faça uma relação de coisas que a deixam feliz – fazer as unhas, ligar para uma amiga, tomar um banho quentinho, deitar em um lençol macio... –, mas nada de incluir alimentos. Quando se sentir triste, estressada ou ansiosa (e louca para devorar uma guloseima), escolha um item da lista e realize-o. Aos poucos, você vai deixando de usar a comida para compensar as emoções.

Fome ou vontade de comer? Quando estiver à beira de um ataque à geladeira, pergunte se o que tem é fome mesmo ou só vontade de comer. Então, dê uma nota de 0 a 10 para cada uma e tente comer só quando a fome for maior. No começo, pode ser difícil resistir ao desejo de apenas pôr alguma coisa na boca, mas, aos poucos, você aprende a ouvir seu corpo e a vencer o impulso.

Celebre seus sucessos Desanimada com as tentativas de entrar naquele jeans? Pense em coisas importantes que conquistou: um carro, um apartamento, o emprego que você adora, uma viagem incrível.

Isso vai lembrá-la de que é capaz de chegar aonde quiser e injetar ânimo para alcançar mais esta meta: emagrecer.

Histórias de sucesso

Estas mulheres aprenderam a lição: pararam de brigar com a comida e disseram adeus ao excesso de peso usando as técnicas do curso Spa Mental

"Depois de tentar várias dietas e remédios para emagrecer, aprendi que usar meus pensamentos para isso é o melhor negócio. No começo não é fácil e, por isso mesmo, cada quilo perdido (eu enxuguei 10 em cinco meses) é uma conquista especial. Mas com o tempo, os exercícios mentais viram hábitos e você percebe que é bem mais forte do que a comida." Bianca Voloski Gomes, 28 anos, advogada, começou com 74 quilos e chegou aos 64

"Emagreci 7 quilos em três meses e ainda quero perder mais, mas agora sei que chegar lá é só uma questão de tempo – e o melhor: comendo o que eu quiser. Quando você se liberta das privações e se permite comer com prazer, conquista em todas as áreas da sua vida e passa a gostar mais de si mesma. No meu caso, comecei a malhar e estou me sentindo bem mais bonita." Marie Claire Bijoux, 33 anos, empresária, começou com 92 quilos e agora está com 85

Não se trata de mágica ou coisa do além. O segredo é reprogramar seus pensamentos e suas atitudes para fazer as pazes com a comida e conquistar o corpo que sempre quis. Duvida? A gente mostra que você pode!

Emagrecer esetá na cabeça

Imagine comer as coisas que você adora sem se preocupar com a balança ou o espelho. E emagrecer. É o sonho de qualquer mulher que já fez dieta, não? É também o que propõe a psicoterapeuta Walkyria Coelho no curso Spa Mental, da Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística (SBPNL). A ideia não é pregar o fim das dietas nem dizer o que você pode ou não comer, mas mostrar que é possível perder peso usando a cabeça. "O método utiliza exercícios mentais para refazer a relação com a comida e com o corpo e buscar um estilo de vida mais magro", fala Walkyria.

Quando você pensa em começar uma dieta, seu organismo entra em estado de alerta. Então, o impulso de comer para compensar o que semana que vem vai estar proibido mais o stress pela situação de pressão fazem a maioria das tentativas ir por água abaixo em pouco tempo. Aí vêm desânimo, tristeza e até raiva de si mesma. "Quando você agride seu corpo, ele reclama, acumulando gordura, sentindo dores e desenvolvendo doenças", diz Walkyria. Para ela, privar-se e comer demais ou aquilo que não dá prazer são formas de violência. Fazendo as pazes com ele, você recupera o equilíbrio para conseguir emagrecer."

Só do bom e do melhor Você não joga lixo na rua nem no chão de casa. Por que iria jogá-lo para dentro do seu corpo? Use essa lógica na hora de comer e recuse o que não estiver de fato delicioso, não importa se é um bombom ou um pão com manteiga. "Antes de dar a segunda mordida, pergunte-se: isso está mesmo gostoso?", sugere Walkyria Coelho. "Se a resposta for algo do tipo ‘mais ou menos’, ponha de lado", ela diz. Nem pense em raspar o prato ou a panela só para não sobrar quando já estiver satisfeita. Assim, você exercita seu poder de escolha e se convence de que é merecedora do prazer de comer.

1 quilo de cada vez Em vez de colocar na cabeça que quer se livrar logo de 10 ou 15 quilos, concentre seu esforço em perder primeiro 1 ou 2. Quando chegar lá, passe à próxima meta. O processo pode demorar um pouco mais, mas estabelecer objetivos menores e mais fáceis de alcançar é uma maneira de valorizar pequenas conquistas e evitar frustrações.

Quatro minutos de pausa No self-service, em vez de encher o prato de uma vez, coloque menos comida e pense que pode repetir. Terminou? Espere quatro minutos antes de se servir de novo – enquanto isso, cheque suas mensagens no celular, converse com a amiga do lado, vá até o banheiro. "Esse é o tempo que o cérebro precisa para distinguir entre a vontade de comer e a fome", observa a psicóloga. Agindo assim, você certamente vai ficar satisfeita comendo menos do que se enchesse o prato de cara.

Geladeira sempre cheia Pode comemorar: você está liberada para rechear a geladeira com coisas que você gosta, desde que elas não tirem o espaço de frutas e vegetais e até de alguns alimentos light. Assim, quando bater a fome, vai poder comer algo que a satisfaz em vez de atacar aquele pão amanhecido ou macarrão de ontem porque não achou outra opção (você merece comer com prazer, lembra?). Sem falar que, tendo o que é gostoso à mão – e não à distância, como se osse proibido –, você relaxa do estado de vigilância que gera stress e a faz comer mais. Mais uma oportunidade de provar que é você que escolhe a comida, e não o contrário.

Comida em preto e branco Imagine seu prato favorito (quanto mais calórico, melhor!), com todas as cores e texturas. Chega a dar água na boca, não? Agora, tente visualizá-lo em preto e branco, como uma folha de jornal. Ainda parece apetitoso? Experimente esse exercício antes de cada refeição. "Comemos primeiro com a cabeça, ou seja, a imagem que se forma no cérebro vai definir o tamanho da fome. Deixando-a menos atraente, você vai ter menos vontade de devorar o prato quando estiver na sua frente", explica Walkyria.

Prazer além da mesa Faça uma relação de coisas que a deixam feliz – fazer as unhas, ligar para uma amiga, tomar um banho quentinho, deitar em um lençol macio... –, mas nada de incluir alimentos. Quando se sentir triste, estressada ou ansiosa (e louca para devorar uma guloseima), escolha um item da lista e realize-o. Aos poucos, você vai deixando de usar a comida para compensar as emoções.

Fome ou vontade de comer? Quando estiver à beira de um ataque à geladeira, pergunte se o que tem é fome mesmo ou só vontade de comer. Então, dê uma nota de 0 a 10 para cada uma e tente comer só quando a fome for maior. No começo, pode ser difícil resistir ao desejo de apenas pôr alguma coisa na boca, mas, aos poucos, você aprende a ouvir seu corpo e a vencer o impulso.

Celebre seus sucessos Desanimada com as tentativas de entrar naquele jeans? Pense em coisas importantes que conquistou: um carro, um apartamento, o emprego que você adora, uma viagem incrível.

Isso vai lembrá-la de que é capaz de chegar aonde quiser e injetar ânimo para alcançar mais esta meta: emagrecer.

Histórias de sucesso

Estas mulheres aprenderam a lição: pararam de brigar com a comida e disseram adeus ao excesso de peso usando as técnicas do curso Spa Mental

"Depois de tentar várias dietas e remédios para emagrecer, aprendi que usar meus pensamentos para isso é o melhor negócio. No começo não é fácil e, por isso mesmo, cada quilo perdido (eu enxuguei 10 em cinco meses) é uma conquista especial. Mas com o tempo, os exercícios mentais viram hábitos e você percebe que é bem mais forte do que a comida." Bianca Voloski Gomes, 28 anos, advogada, começou com 74 quilos e chegou aos 64

"Emagreci 7 quilos em três meses e ainda quero perder mais, mas agora sei que chegar lá é só uma questão de tempo – e o melhor: comendo o que eu quiser. Quando você se liberta das privações e se permite comer com prazer, conquista em todas as áreas da sua vida e passa a gostar mais de si mesma. No meu caso, comecei a malhar e estou me sentindo bem mais bonita." Marie Claire Bijoux, 33 anos, empresária, começou com 92 quilos e agora está com 85

Não se trata de mágica ou coisa do além. O segredo é reprogramar seus pensamentos e suas atitudes para fazer as pazes com a comida e conquistar o corpo que sempre quis. Duvida? A gente mostra que você pode!

Emagrecer esetá na cabeça

Imagine comer as coisas que você adora sem se preocupar com a balança ou o espelho. E emagrecer. É o sonho de qualquer mulher que já fez dieta, não? É também o que propõe a psicoterapeuta Walkyria Coelho no curso Spa Mental, da Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística (SBPNL). A ideia não é pregar o fim das dietas nem dizer o que você pode ou não comer, mas mostrar que é possível perder peso usando a cabeça. "O método utiliza exercícios mentais para refazer a relação com a comida e com o corpo e buscar um estilo de vida mais magro", fala Walkyria.

Quando você pensa em começar uma dieta, seu organismo entra em estado de alerta. Então, o impulso de comer para compensar o que semana que vem vai estar proibido mais o stress pela situação de pressão fazem a maioria das tentativas ir por água abaixo em pouco tempo. Aí vêm desânimo, tristeza e até raiva de si mesma. "Quando você agride seu corpo, ele reclama, acumulando gordura, sentindo dores e desenvolvendo doenças", diz Walkyria. Para ela, privar-se e comer demais ou aquilo que não dá prazer são formas de violência. Fazendo as pazes com ele, você recupera o equilíbrio para conseguir emagrecer."

Só do bom e do melhor Você não joga lixo na rua nem no chão de casa. Por que iria jogá-lo para dentro do seu corpo? Use essa lógica na hora de comer e recuse o que não estiver de fato delicioso, não importa se é um bombom ou um pão com manteiga. "Antes de dar a segunda mordida, pergunte-se: isso está mesmo gostoso?", sugere Walkyria Coelho. "Se a resposta for algo do tipo ‘mais ou menos’, ponha de lado", ela diz. Nem pense em raspar o prato ou a panela só para não sobrar quando já estiver satisfeita. Assim, você exercita seu poder de escolha e se convence de que é merecedora do prazer de comer.

1 quilo de cada vez Em vez de colocar na cabeça que quer se livrar logo de 10 ou 15 quilos, concentre seu esforço em perder primeiro 1 ou 2. Quando chegar lá, passe à próxima meta. O processo pode demorar um pouco mais, mas estabelecer objetivos menores e mais fáceis de alcançar é uma maneira de valorizar pequenas conquistas e evitar frustrações.

Quatro minutos de pausa No self-service, em vez de encher o prato de uma vez, coloque menos comida e pense que pode repetir. Terminou? Espere quatro minutos antes de se servir de novo – enquanto isso, cheque suas mensagens no celular, converse com a amiga do lado, vá até o banheiro. "Esse é o tempo que o cérebro precisa para distinguir entre a vontade de comer e a fome", observa a psicóloga. Agindo assim, você certamente vai ficar satisfeita comendo menos do que se enchesse o prato de cara.

Geladeira sempre cheia Pode comemorar: você está liberada para rechear a geladeira com coisas que você gosta, desde que elas não tirem o espaço de frutas e vegetais e até de alguns alimentos light. Assim, quando bater a fome, vai poder comer algo que a satisfaz em vez de atacar aquele pão amanhecido ou macarrão de ontem porque não achou outra opção (você merece comer com prazer, lembra?). Sem falar que, tendo o que é gostoso à mão – e não à distância, como se osse proibido –, você relaxa do estado de vigilância que gera stress e a faz comer mais. Mais uma oportunidade de provar que é você que escolhe a comida, e não o contrário.

Comida em preto e branco Imagine seu prato favorito (quanto mais calórico, melhor!), com todas as cores e texturas. Chega a dar água na boca, não? Agora, tente visualizá-lo em preto e branco, como uma folha de jornal. Ainda parece apetitoso? Experimente esse exercício antes de cada refeição. "Comemos primeiro com a cabeça, ou seja, a imagem que se forma no cérebro vai definir o tamanho da fome. Deixando-a menos atraente, você vai ter menos vontade de devorar o prato quando estiver na sua frente", explica Walkyria.

Prazer além da mesa Faça uma relação de coisas que a deixam feliz – fazer as unhas, ligar para uma amiga, tomar um banho quentinho, deitar em um lençol macio... –, mas nada de incluir alimentos. Quando se sentir triste, estressada ou ansiosa (e louca para devorar uma guloseima), escolha um item da lista e realize-o. Aos poucos, você vai deixando de usar a comida para compensar as emoções.

Fome ou vontade de comer? Quando estiver à beira de um ataque à geladeira, pergunte se o que tem é fome mesmo ou só vontade de comer. Então, dê uma nota de 0 a 10 para cada uma e tente comer só quando a fome for maior. No começo, pode ser difícil resistir ao desejo de apenas pôr alguma coisa na boca, mas, aos poucos, você aprende a ouvir seu corpo e a vencer o impulso.

Celebre seus sucessos Desanimada com as tentativas de entrar naquele jeans? Pense em coisas importantes que conquistou: um carro, um apartamento, o emprego que você adora, uma viagem incrível.

Isso vai lembrá-la de que é capaz de chegar aonde quiser e injetar ânimo para alcançar mais esta meta: emagrecer.

Histórias de sucesso

Estas mulheres aprenderam a lição: pararam de brigar com a comida e disseram adeus ao excesso de peso usando as técnicas do curso Spa Mental

"Depois de tentar várias dietas e remédios para emagrecer, aprendi que usar meus pensamentos para isso é o melhor negócio. No começo não é fácil e, por isso mesmo, cada quilo perdido (eu enxuguei 10 em cinco meses) é uma conquista especial. Mas com o tempo, os exercícios mentais viram hábitos e você percebe que é bem mais forte do que a comida." Bianca Voloski Gomes, 28 anos, advogada, começou com 74 quilos e chegou aos 64

"Emagreci 7 quilos em três meses e ainda quero perder mais, mas agora sei que chegar lá é só uma questão de tempo – e o melhor: comendo o que eu quiser. Quando você se liberta das privações e se permite comer com prazer, conquista em todas as áreas da sua vida e passa a gostar mais de si mesma. No meu caso, comecei a malhar e estou me sentindo bem mais bonita." Marie Claire Bijoux, 33 anos, empresária, começou com 92 quilos e agora está com 85

Não se trata de mágica ou coisa do além. O segredo é reprogramar seus pensamentos e suas atitudes para fazer as pazes com a comida e conquistar o corpo que sempre quis. Duvida? A gente mostra que você pode!

Emagrecer esetá na cabeça

Imagine comer as coisas que você adora sem se preocupar com a balança ou o espelho. E emagrecer. É o sonho de qualquer mulher que já fez dieta, não? É também o que propõe a psicoterapeuta Walkyria Coelho no curso Spa Mental, da Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística (SBPNL). A ideia não é pregar o fim das dietas nem dizer o que você pode ou não comer, mas mostrar que é possível perder peso usando a cabeça. "O método utiliza exercícios mentais para refazer a relação com a comida e com o corpo e buscar um estilo de vida mais magro", fala Walkyria.

Quando você pensa em começar uma dieta, seu organismo entra em estado de alerta. Então, o impulso de comer para compensar o que semana que vem vai estar proibido mais o stress pela situação de pressão fazem a maioria das tentativas ir por água abaixo em pouco tempo. Aí vêm desânimo, tristeza e até raiva de si mesma. "Quando você agride seu corpo, ele reclama, acumulando gordura, sentindo dores e desenvolvendo doenças", diz Walkyria. Para ela, privar-se e comer demais ou aquilo que não dá prazer são formas de violência. Fazendo as pazes com ele, você recupera o equilíbrio para conseguir emagrecer."

Só do bom e do melhor Você não joga lixo na rua nem no chão de casa. Por que iria jogá-lo para dentro do seu corpo? Use essa lógica na hora de comer e recuse o que não estiver de fato delicioso, não importa se é um bombom ou um pão com manteiga. "Antes de dar a segunda mordida, pergunte-se: isso está mesmo gostoso?", sugere Walkyria Coelho. "Se a resposta for algo do tipo ‘mais ou menos’, ponha de lado", ela diz. Nem pense em raspar o prato ou a panela só para não sobrar quando já estiver satisfeita. Assim, você exercita seu poder de escolha e se convence de que é merecedora do prazer de comer.

1 quilo de cada vez Em vez de colocar na cabeça que quer se livrar logo de 10 ou 15 quilos, concentre seu esforço em perder primeiro 1 ou 2. Quando chegar lá, passe à próxima meta. O processo pode demorar um pouco mais, mas estabelecer objetivos menores e mais fáceis de alcançar é uma maneira de valorizar pequenas conquistas e evitar frustrações.

Quatro minutos de pausa No self-service, em vez de encher o prato de uma vez, coloque menos comida e pense que pode repetir. Terminou? Espere quatro minutos antes de se servir de novo – enquanto isso, cheque suas mensagens no celular, converse com a amiga do lado, vá até o banheiro. "Esse é o tempo que o cérebro precisa para distinguir entre a vontade de comer e a fome", observa a psicóloga. Agindo assim, você certamente vai ficar satisfeita comendo menos do que se enchesse o prato de cara.

Geladeira sempre cheia Pode comemorar: você está liberada para rechear a geladeira com coisas que você gosta, desde que elas não tirem o espaço de frutas e vegetais e até de alguns alimentos light. Assim, quando bater a fome, vai poder comer algo que a satisfaz em vez de atacar aquele pão amanhecido ou macarrão de ontem porque não achou outra opção (você merece comer com prazer, lembra?). Sem falar que, tendo o que é gostoso à mão – e não à distância, como se osse proibido –, você relaxa do estado de vigilância que gera stress e a faz comer mais. Mais uma oportunidade de provar que é você que escolhe a comida, e não o contrário.

Comida em preto e branco Imagine seu prato favorito (quanto mais calórico, melhor!), com todas as cores e texturas. Chega a dar água na boca, não? Agora, tente visualizá-lo em preto e branco, como uma folha de jornal. Ainda parece apetitoso? Experimente esse exercício antes de cada refeição. "Comemos primeiro com a cabeça, ou seja, a imagem que se forma no cérebro vai definir o tamanho da fome. Deixando-a menos atraente, você vai ter menos vontade de devorar o prato quando estiver na sua frente", explica Walkyria.

Prazer além da mesa Faça uma relação de coisas que a deixam feliz – fazer as unhas, ligar para uma amiga, tomar um banho quentinho, deitar em um lençol macio... –, mas nada de incluir alimentos. Quando se sentir triste, estressada ou ansiosa (e louca para devorar uma guloseima), escolha um item da lista e realize-o. Aos poucos, você vai deixando de usar a comida para compensar as emoções.

Fome ou vontade de comer? Quando estiver à beira de um ataque à geladeira, pergunte se o que tem é fome mesmo ou só vontade de comer. Então, dê uma nota de 0 a 10 para cada uma e tente comer só quando a fome for maior. No começo, pode ser difícil resistir ao desejo de apenas pôr alguma coisa na boca, mas, aos poucos, você aprende a ouvir seu corpo e a vencer o impulso.

Celebre seus sucessos Desanimada com as tentativas de entrar naquele jeans? Pense em coisas importantes que conquistou: um carro, um apartamento, o emprego que você adora, uma viagem incrível.

Isso vai lembrá-la de que é capaz de chegar aonde quiser e injetar ânimo para alcançar mais esta meta: emagrecer.

Histórias de sucesso

Estas mulheres aprenderam a lição: pararam de brigar com a comida e disseram adeus ao excesso de peso usando as técnicas do curso Spa Mental

"Depois de tentar várias dietas e remédios para emagrecer, aprendi que usar meus pensamentos para isso é o melhor negócio. No começo não é fácil e, por isso mesmo, cada quilo perdido (eu enxuguei 10 em cinco meses) é uma conquista especial. Mas com o tempo, os exercícios mentais viram hábitos e você percebe que é bem mais forte do que a comida." Bianca Voloski Gomes, 28 anos, advogada, começou com 74 quilos e chegou aos 64

"Emagreci 7 quilos em três meses e ainda quero perder mais, mas agora sei que chegar lá é só uma questão de tempo – e o melhor: comendo o que eu quiser. Quando você se liberta das privações e se permite comer com prazer, conquista em todas as áreas da sua vida e passa a gostar mais de si mesma. No meu caso, comecei a malhar e estou me sentindo bem mais bonita." Marie Claire Bijoux, 33 anos, empresária, começou com 92 quilos e agora está com 85

veja também