Estilista brasileiro usa tecido feito à base de fita cassete

Estilista brasileiro usa tecido feito à base de fita cassete

Atualizado: Quinta-feira, 6 Maio de 2010 as 12:03

À primeira vista, Júlio César é apenas um estilista que se preocupa com a pegada que deixa no mundo da moda e no planeta Terra. Mas ao aproximar um pouco mais o olhar sobre o primeiro estilista brasileiro a usar um tecido feito à base de fita cassete, percebemos que a coragem e a criatividade deste artista ampliam verdadeiramente as possibilidades do mundo da moda sustentável.

Natural de Mossoró, nordeste do Brasil, o designer ganhou impulso na sua paixão pela cultura e inovação para passear entre a moda sustentável. Apresentando um trabalho que mostra suas criações coloridas e que valorizam ainda mais a sua mistura única, Júlio conta para o EcoD um pouco mais sobre a sua "inconsciente" moda consciente.

EcoD - Você é o primeiro estilista a adotar o Sonic Fabric. Qual é a importância da moda se engajar na busca por um produto menos agressivo ao meio ambiente?

Júlio César - A moda tem um papel fundamental nisso. No mundo contemporâneo, a destruição do meio ambiente é causada por quase todas as pessoas, em todo o planeta. Mas existe um grupo, ainda minoritário, que tem uma preocupação muito grande com essa realidade. A moda, por ditar tendências, pode trazer uma mensagem de equilíbrio ecológico, mas é importante lembrar que nem sempre a mensagem chega às pessoas da maneira certa. Burocracia, política, ignorância e, principalmente, medo, fazem com que essa mensagem seja mal transmitida.

EcoD - Então, é possível "fazer moda" sem deixar de lado a responsabilidade com o planeta?

Júlio - Para mim é fundamental uma atitude responsável. Moda, hoje em dia, é cuidar do planeta, e eu espero que essa moda pegue (risos).

EcoD - Em sua coleção de acessórios, você apresenta as possibilidades de uso para um tecido inteligente (Sonic). Essas inovações no mundo têxtil seriam o melhor caminho para uma moda mais consciente?

Júlio - Acredito que seja mais um caminho. Há uma companhia em João Pessoa (Paraíba) que sou fã há muitos anos, a Petit Coton, que faz parte da Cooperativa Algodão Colorido Natural da Paraíba. Criam coisas simplesmente lindas, contemporâneas, chiques e altamente conscientes.

EcoD - Para você, qual a sensação de estar fazendo a sua parte com a construção de novas práticas estéticas que abraçam a responsabilidade?

Júlio - É um prazer enorme, o desejo de que tudo isso não seja só "moda", que seja algo duradouro. Uma semente que futuramente gere frutos maravilhosos, com sabores tão doces e exóticos quanto a sua origem.

EcoD - O que você gostaria de inspirar nas pessoas que conhecem o seu trabalho?

Júlio - Alegria. Alegria traz tudo mais de bom.

Atualmente, Júlio mantém um ateliê com suas criações na cidade de Nova York, nos Estados Unidos. Para quem não estiver na cidade estadunidense e quiser conhecer um pouco mais do trabalho do designer, o site do estilista apresenta as roupas, acessórios, peças de decoração e até mesmo papeis de parede confeccionados pelo artista.

www.ecodesenvolvimento.org

veja também