Evite as manchas na pele do seu rosto

Evite as manchas na pele do seu rosto

Atualizado: Quinta-feira, 28 Julho de 2011 as 9:23

Ter uma pele livre de manchas, espinhas e marcas é desejo de todos. Mas, para que isso aconteça, é preciso tomar certos cuidados porque as manchas aparecem denunciando a idade, as sensibilidades e afetando a auto-estima. Um dos grandes vilões é a exposição ao sol, que pode ser perigosíssima, principalmente por ter efeito cumulativo sobre a pele, ou seja, todas aquelas horinhas de sol continuam agindo em nosso corpo e, principalmente, no rosto.

Assim, o excesso de exposição solar, ao longo dos anos, tem o potencial de estimular a produção de melanina da pele de forma irregular, causando as tão temidas marquinhas na pele. As manchas solares são mais comuns em pessoas claras e aparecem em locais sensíveis como o rosto, ombros, colo, antebraços e dorso das mãos. A doutora Carla Albuquerque, dermatologista de São Paulo e membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia, explica as diferenças entre cada tipo:

O melasma, também conhecido como "mancha da gravidez", tem coloração acastanhada e aparece principalmente no rosto, bochechas, testa, nariz e buço. Além da exposição solar, que é o principal fator desencadeante, fatores genéticos e hormonais também contribuem para o aparecimento da mancha.

Fugir do sol durante a gestação pode ser uma opção, mas atenção, os melasmas não aparecem apenas em mulheres grávidas e, inclusive, podem surgir em homens.

A melonose, é mais comum em pessoas claras que costumam se expor ao sol sem proteção. Com o passar do tempo a mancha pode crescer, ficar áspera e, até mesmo, se transformar em lesão pré-cancerígena. Também tem cor acastanhada e aparece normalmente após os 45 anos de idade.

As famosas "sardinhas", chamadas de efélide, são manchas pequenas, de tonalidade marrom clara, que surgem principalmente em pessoas branquinhas e ruivas, por tendência genética ou por queimaduras solares. As sardas tendem a escurecer durante o verão pela exposição mais intensa ao sol.

Não é à toa que a luta contra as manchas é um trabalho difícil e cansativo. Segundo a esteticista Nilza Bittencourt, o organismo vai perdendo a capacidade de "filtrar" as células defeituosas, por isso, a pele perde parte da capacidade de se defender, principalmente do sol.

Evitar a exposição, principalmente das 10 às 16 horas, e usar diariamente filtro solar de boa qualidade em todas as áreas expostas da pele são cuidados básicos que podem diminuir o efeito. No verão é importante aplicar o protetor solar a cada duas horas para garantir sua eficácia.

Além dos cuidados, alguns tratamentos ajudam a diminuir e acabar com as manchas provocadas pelo sol, mas saiba que apagá-las totalmente não é uma tarefa muito fácil, digamos quase impossível, que exige paciência, calma e, convenhamos, um certo dinheirinho.

Entre tantos tratamentos podemos citar o peeling químico, a crioterapia com nitrogênio líquido, luz intensa pulsada, laser e cremes clareadores que são ótimas opções e podem trazer um resultado satisfatório.

veja também