Manteigas e óleos que realmente hidratam o cabelo

Manteigas e óleos que realmente hidratam o cabelo

Atualizado: Terça-feira, 16 Junho de 2009 as 12

Seu cabelo está um desastre? Já fez hidratações caríssimas nas suas madeixas e nada adiantou? Vive comendo alimentos cheios de vitaminas A, C e E apenas para deixar os fios mais brilhantes e também nada de resultado?

Calma, junto com você há milhares de mulheres nessa mesmíssima situação. Mas, como sempre, estão inventando coisas por aí e uma delas certamente vai dar certo para você. A gente ajuda a achar a solução. Para encurtar o caminho, que tal ir diretamente da fonte? Como assim?

Certamente você já ouviu falar em manteiga de karité. Encontrada na África Ocidental, diversos produtos no mundo dos cosméticos são elaborados com essa matéria prima: shampoos, condicionadores, leave-in, máscara de tratamento e outros. Segundo a engenheira química responsável pela formulação dos produtos da Éh cosméticos, quando introduzida na formulação de um produto, a manteiga de karité acaba ficando diluída junto com outros ativos do cosmético. "Além de o produto final conter uma quantidade mínima dessa matéria-prima, ele acaba fazendo com que ela tenha seu poder de hidratação e reparação dos fios diminuído", explica Rosely, que ainda afirma: "Além disso, essa é uma matéria-prima muito cara e, se colocada em grandes proporções no shampoo e no condionador, por exemplo, acaba encarecendo-os demais".

Alexandre Amaro, auxiliar de desenvolvimento de produto também da Éh cosméticos completa: "Essa matéria-prima, quando colocada de forma pura e concentrada nos cabelos, certamente acaba tendo maior poder de hidratação do que quando colocada em algum produto. É como se você estivesse tirando a parte mais hidratante de um produto cosmético e passando diretamente nos fios".

Entendeu agora o termo "direto da fonte"? Além da manteiga de karité, há diversos outros tipos de manteiga para restaurar a estrutura e a hidratação dos fios. "Manteiga de abacate, que é rica em vitaminas, manteiga de cereais, manteiga de amêndoas, manteiga de cacau e manteiga de cupuaçu, são alguns dos tipos de matérias-primas mais procuradas pelas empresas de cosméticos", afirma Alexandre Amaro.

Porém, segundo a engenheira química Rosely Grossmann, há um cuidado especial que devemos ter com essa questão. "Não é qualquer matéria-prima pura que podermos passar diretamente nos fios. Isso não é recomendado nem pelos especialistas em cosméticos e nem pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Por isso aconselhamos que apenas algumas manteigas hidratantes e alguns tipos de óleos sejam utilizados diretamente nos fios", adverte Rosely.

Outro fator com o qual se deve ter mais cautela é a respeito dos laboratórios que envasam a matéria-prima. "Também é muito importante que os laboratórios e as empresas de matérias-primas e extratos sejam idôneos, reconhecidos e aprovados pela Anvisa. Não se pode confiar em qualquer laboratório porque, infelizmente, nem todos são confiáveis. Por isso, quem não conhece muito bem esse ramo, deve ficar de olhos bem abertos e pesquisar bastante antes", explica a formuladora da Éh.

As manteigas possuem uma textura bem pastosa, como se fosse um creme hidratante bem duro. Normalmente elas vêm em potinhos, para que a pessoa passe de pouco em pouco nos fios, sempre esfregando a matéria-prima antes nas mãos.

Depois de passar a manteiga nos cabelos, você pode ter a sensação de que suas madeixas ficaram oleosas, o que acontece devido ao alto poder hidratante da matéria-prima. Por isso a importância de você concentrar a manteiga nas pontas dos cabelos (onde eles estão mais ressecados e sem vida).

"Uma dica legal é passar quando estiver em casa, antes de dormir. No dia seguinte é só lavar com um shampoo purificante, para retirar o excesso do produto", sugere Rosely.

O ideal é que você passe a manteiga de duas a três vezes por semana. Como sempre sobra um restinho nos fios, mesmo lavando-os depois, o efeito é cumulativo e a manteiga vai permanecendo e penetrando nos fios, hidratando-os dia após dia.

veja também