Modelos plus size para as mais gordinhas se popularizam na moda praia

Em crescimento na moda praia

Atualizado: Terça-feira, 31 Janeiro de 2012 as 10:40

"A 'Garota de Ipanema' não exibe as formas curvilíneas de antigamente". Foi assim que jornais como o britânico Daily Mail e o americano USA Today introduziram a discussão de que os tamanhos de biquíni no Brasil agora atendem também ao mercado plus size, indo na contramão de grandes marcas como a Salinas, cujo manequim extragrande não serve nas mulheres com sobrepeso.

"Os biquínis costumavam ser minúsculos e só as magrinhas conseguiam usá-los. Mas nem todo mundo tem corpo de modelo. Finalmente parece que as pessoas começaram a entender que nem todo mundo é como a Gisele (Bündchen)", disse à agênciaAssociated Press Elisangela Inez Soares, 38 anos, enquanto tomava sol na praia de Ipanema, na capital carioca.

Uma das grandes revolucionárias da moda praia plus size foi a designer Clarice Rebelatto, da grife Lehona. "Se você estava um pouco acima do peso no Brasil, encontrar qualquer tipo de roupa no tamanho certo era um problema", lembrou a estilista, que usa tamanho 38 e abriu a marca em 2010, tornando-se um hit com estampas florais e animal print e biquínis de 14 modelos diferentes que nada lembram os maiôs comumente associados às gordinhas. "Trabalhamos com o princípio de que a gordinha é como qualquer outra pessoa: elas não querem parecer senhoras, usando maiôs pretos e comportados", contou Luiz Rebelatto, filho de Clarice e diretor da marca, sobre os diversos formatos de biquíni encontrados na Lehona.

Os biquínis da Lehona são encontrados em grandes lojas no valor médio de R$ 130. Outra marca que tem feito sucesso, segundo o jornal britânico, é a Acqua Rosa, também destinada ao público plus size, que abriu as portas em 2008 e teve crescimento superior a 70% nas vendas desde então, segundo o diretor João Macedo.

Apesar do aumento no peso da brasileira, poucas grifes abraçaram a causa plus size, que segundo Rebelatto se justifica pelo ar esnobe: "algumas marcas não querem associar sua imagem à de uma mulher acima do peso. Só das magras, ricas e chiques".

Peso

A população estar mais "cheinha" se deve a alguns fatores, de acordo com a AP. Por muitos anos, a desnutrição atingia boa parte da população brasileira, e em 1970 cerca de 10% dos que viviam no nordeste estavam abaixo do peso.

Em 1985, apenas 29% das mulheres e 18% dos homens eram considerados acima do peso. Hoje, cerca de 48% das mulheres adultas e 50% dos homens estão nessa classificação.
Os motivos são, além do crescimento econômico do País, a substituição de arroz, feijão e vegetais por produtos como batata chips, carne processada e refrigerantes.

veja também