O que fazer com o excesso de suor

O que fazer com o excesso de suor

Atualizado: Terça-feira, 23 Agosto de 2011 as 10:19

  Dermatologista explica causas e tratamentos da hiper-hidrose.

Você já ouviu falar da hiper-hidrose? Talvez por esse nome não, mas certamente conhece alguém que sofre com esse problema. Trata-se do excesso de sudorese, problema que atinge 1% da população.  

O que acontece na hiper-hidrose é que, normalmente, suamos para controlar a temperatura do nosso corpo, mas, quando esse processo ocorre de forma excessiva, ou seja, além da necessidade térmica, trata-se da hiper-hidrose. Segundo a dermatologista Tatiana Villas Boas Gabbi, do Zahra Spa & Estética, essa condição desagradável é comum.  

Os portadores de hiper-hidrose apresentam um aumento da sudorese geralmente nas axilas, nas mãos, nos pés ou na face. Há dois tipos de glândulas sudoríparas (produtoras de suor) na pele: as apócrinas e as écrinas. As écrinas, mais concentradas nas axilas, palmas e plantas, é que são as responsáveis pela termorregulação, portanto o excesso de secreção desse tipo de glândula é que causa a hiper-hidrose. A temperatura ambiental, bem como o estresse, pode influenciar o aparecimento da sudorese, mas é errado dizer que são as causas do problema, uma vez que ela pode surgir tanto em altas como baixas temperaturas ou na ausência de fatores emocionais.

Segundo a expert em pele, há duas formas de hiper-hidrose: a primária e a secundária. A primária não tem causa conhecida e acredita-se que esteja relacionada a fatores genéticos. Essa é a mais comumente encontrada e pode se manifestar precocemente, nos primeiros anos de vida, ou em qualquer fase do desenvolvimento da criança ou do adolescente e até mesmo na vida adulta.  

Causas secundárias e tratamentos

Já a hiper-hidrose secundária é associada a uma causa, como obesidade, menopausa, uso de medicamentos,  febre após administração de antitérmicos, malária, tuberculose, menopausa, hipoglicemia (açúcar baixo no sangue), excesso de hormônios tireoidianos, uso de morfina para dores agudas ou crônicas, entre outras.

Felizmente, para ambos os casos, existe tratamento. “Pode ser feito com cirurgia (simpatectomia) ou com aplicação de toxina botulínica. A vantagem da cirurgia é que é um tratamento definitivo, mas pode trazer algumas complicações, portanto reservamos essa indicação para a sudorese grave das mãos. É importante salientar que pode ocorrer sudorese compensatória em outras partes do corpo em 10% dos casos”, explica a dermatologista.

A toxina botulínica dura em média oito meses nas axilas, além de ser um procedimento seguro, rápido e pouco doloroso. Os efeitos surgem já após 72 horas em média. “E com o desaparecimento da sudorese, desaparecem também o mau cheiro e a cor do suor, ambos causados por bactérias”, completa a médica.      

veja também