É possível transformar cabelo em diamante. Saiba como acontece o processo

É possível transformar cabelo em diamante. Saiba como acontece o processo

Atualizado: Sexta-feira, 4 Dezembro de 2009 as 12

Depois que o Rei Pelé presenteou a mãe em rede nacional com um diamante fabricado a partir de uma mecha de seu próprio cabelo, muita gente ficou se perguntando como esse processo funciona. E mais: teria essa pedra o mesmo valor daquela produzida pela natureza? Fomos investigar!

No Brasil, a empresa que oferece este serviço é a Brilho Infinito, do Grupo Altstut. A tecnologia que tornou possível essa alquimia vem da Espanha. E é para lá que são enviadas, em saquinhos plásticos, as mechas cedidas pelos clientes. Detalhe: dá até para escolher a tonalidade que seu diamante terá: transparente, azul ou champanhe. "Gemas nessas cores existem, mas são extremamente raras. Em nossos laboratórios, recriamos facilmente pedras com essas características", explica Carlos Pacheco, diretor administrativo da Brilho Infinito. Confira mais detalhes sobre o processo que transforma cabelo em diamantes a seguir!

Cabelo, fonte de carbono... e diamantes!

A receita para fazer diamante tem apenas um item na lista de ingredientes: o carbono. E, não se engane: estamos falando desse mesmo carbono que está presente no grafite do lápis e em todas as células do corpo humano.

A diferença básica é que, no caso das pedras preciosas as cadeias deste elemento estão dispostas num formato diferente, o que dá origem à dureza e ao aspecto cristalino das gemas.

Por isso, tudo o que é rico em carbono pode, em tese, se transformar numa fonte de diamantes. É o que acontece com o cabelo. A queratina, uma das substâncias presentes na estrutura dos fios, é composta por até 50% de carbono. Daí a ideia de usar mechas como matéria prima de gemas.

Não pense que é fácil ou barato fazer essa mágica de transformar melenas em brilhantes. Enquanto a natureza levou milhões de anos para produzir as pedras encontradas nas minas, o laboratório entrega as suas em 120 dias, já lapidadas.

Para cumprir um prazo tão pequeno, a empresa utiliza equipamentos de última geração.

O passo a passo desta alquimia moderna

1º Uma mecha com peso de 2 gramas vai para um forno onde é reduzida a carbono.

2º Depois esse carbono vira uma pastilha que é colocada numa cápsula de cerâmica.

3º A cápsula de cerâmica é encaminhada para um equipamento controlado por computador onde é submetida à temperatura e pressão altíssimas. O calor atinge cerca de 1500 ºC e a pressão gira em torno de 45 mil atmosferas! São sob essas condições que a estrutura do carbono se modifica e cristaliza, dando origem a uma pedra bruta de diamante.

Para conseguir diamantes azuis, acrescenta-se boro na composição; já o diamante champanhe leva nitrogênio. Impressionante, não?

Lembrança inusitada

A gema é enviada da Espanha para o Brasil ainda em estado bruto. Em seguida, passa pelas mãos de um lapidador que a trabalhará segundo especificações do cliente.

Por fim, um laboratório gemológico atesta a qualidade do diamante e emite um certificado, que é entregue ao dono junto com um DVD, onde estão registradas imagens de cada etapa do processo.

Com uma mecha de dois gramas de cabelo dá para produzir mais que uma pedra, dependendo do tamanho solicitado, sendo possível misturar cabelo de pessoas diferentes. Segundo Carlos Pacheco, o diamante sintetizado tem valor um pouco menor do que aquele encontrado na natureza, mas seria uma forma de eternizar alguém querido.

Porém, essa pode ser uma lembrança tão inusitada quanto cara. Pedimos uma cotação para saber quanto custaria um diamante transparente já lapidado pequeno, com peso entre 0,30 e 0,39 quilates. O valor: R$ 5200. Você pagaria por um mimo desses?

veja também