Profissão manicuro: eles fazem as unhas delas!

Profissão manicuro: eles fazem as unhas delas!

Atualizado: Quarta-feira, 31 Agosto de 2011 as 11:22

  Ele trocou as armas de fogo por alicates, espátulas, lixas e vidrinhos de esmalte. Ex-segurança de carro forte, Henrique de Oliveira, 38 anos, virou manicure e se dedica hoje aos alongamentos de unhas em um salão no centro de São Paulo.

Assim como ele, vários homens já têm encarado a função numa boa, ganhando a confiança de clientes.  

- Trabalhei em carro forte e corria riscos todos os dias. Enfrentei assaltos e trocas de tiro. Sou 100% fazer unhas.  

Foi Suely Munekata, dona do Empório das Unhas, quem deu a chance a Oliveira e aos outros quatro homens que trabalham por lá atualmente, fora os que fizeram curso - o local é conhecido por ministrar aulas e ensinar técnicas de alongamento e decoração de unhas. A profissional conta que trabalhar com homens era um desejo antigo.

- Nos EUA e na Europa é mais comum [homens nesta atividade]. Morei anos no exterior e sempre tive vontade de treiná-los para ver como seria. Eles foram chegando aos poucos. O primeiro era carregador de caminhão. Era grandalhão e esquisito. Aos poucos, tornou-se um excelente profissional. Suely ainda diz que os homens têm pontos que contam a favor, como a concentração.

- Parece que saem do mundo quando estão trabalhando. Se focam com muito mais facilidade.

Elias Félix, 23 anos, estava fora do mercado de trabalho. Tudo começou quando virou promoter do Empório das Unhas. Por lá, encantou-se com a ideia de “decorar” as mãos femininas. Sua especialidade são unhas em 3D e alto relevo.

- Não sabia que existia isso [homens manicure]. Encaro como forma de expressão, posso liberar minha criatividade. Não gosto de cutilagem, de mexer com alicate. Meu negócio é pensar em coisas mirabolantes.

Já Remmy Sorcel, 24 anos, começou a trabalhar como manicure no salão Jacques Janine há três anos. Antes de assumir a função, ele  era auxiliar do salão. Foi se interessando pela atividade e, aos poucos, começou a fazer unhas.  

- Comecei a observar como as manicures trabalhavam. Aprendi, aperfeiçoei a técnica e agora estou na função.

Toque masculino

Sorcel se diverte com a reação das clientes, que ficam curiosas para fazer as unhas com ele.

- Elas querem saber se faço melhor do que as mulheres. É engraçado. Acho complicado comparar, mas elas gostam do meu trabalho porque sou muito perfeccionista. Preocupo-me com o formato da unha, com o acabamento e se não deixei cutícula sobrando, por exemplo.

Embora se dedique mais ao ofício de dar aulas, Oliveira precisou aprender controlar a própria força e a ter delicadeza.  

- Imagine, eu fico duas horas [tempo que leva um alongamento] segurando nas mãos delas. Depois de um tempo, viro psicólogo. Estou dando conselhos sobre maridos. Escuto de tudo, mas guardo para mim.  

Preconceito

Mas nem tudo são flores para estes homens corajosos. Suely, acostumada à treiná-los, gosta de avisar que é preciso ousadia. O preconceito existe e, em certos casos, é pesado.  

Oliveira, acostumado à vida de segurança, conta ter sofrido preconceito dos amigos e da família.

- Foi difícil. O pessoal achava estranho. Quando os colegas de escola do meu filho descobriram, por exemplo, bagunçaram muito com ele: 'Teu pai é gay, faz unhas!'

Já a ex-mulher teve ciúme:  

- Ela não gostou, mas não por preconceito. Ficou insegura, porque eu trabalharia diariamente em contato com mulheres.

  Sarcel diz que enfrentou preconceito apenas uma vez, quando uma cliente se negou a fazer as unhas com ele.

- Ela não sabia que estava agendada comigo, quando viu, foi até à recepção e disse que não faria. Chegou a mandar e-mail ao salão falando que jamais faria as unhas com um homem.

Com Félix, o papo foi outro. Como também é ator de teatro, ele conta que os amigos, mais abertos, entenderam perfeitamente sua escolha. A família, que estranhou de início, logo encarou os fatos.

- Como estava desempregado, ser manicuro me trouxe estabilidade financeira. Comecei a ganhar dinheiro e isso fez com que minha família encarasse este trabalho como outro qualquer.

Um mercado em ascensão

Suely, pioneira neste ramo, enxerga com otimismo a entrada dos homens neste mercado de trabalho.

- Quando começamos, há alguns anos, o preconceito era muito maior. Tenho recebido cada vez mais homens. Já vieram dentistas, designers e até um senhor de 70 anos, que começou a fazer unhas de travestis.  

Sorcel concorda com ela:

- Pelo que eu vejo, a área está crescendo. Existem outros homens querendo fazer cursos e se interessando.

veja também