Saiba como identificar e tratar a Dermatite Seborreica

Saiba como identificar e tratar a Dermatite Seborreica

Atualizado: Quinta-feira, 6 Agosto de 2009 as 12

Para cuidar da saúde da pele, deve-se protegê-la das agressões externas como a radiação solar, ter uma alimentação equilibrada e adotar alguns hábitos saudáveis. Os benefícios são incontáveis. Conquista-se uma pele saudável, sedosa, luminosa, livre de manchas e rugas.

Mas, mesmo tendo todos os cuidados possíveis, há pessoas que apresentam problemas dermatológicos que em nada tem a ver com a falta de cuidados. A Dermatite Seborreica é uma dessas doenças, de causa inflamatória crônica com períodos de piora e melhora durante toda a vida da pessoa.

"A Dermatite Seborreica é uma doença relacionada, principalmente, às características orgânicas da própria pessoa e apresenta como principal sintoma a oleosidade excessiva, produzida pelas glândulas sebáceas, que somada à presença de um microorganismo chamado Pytrosporum ovale, tornam-se a causa básica das diferentes formas como essa doença se manifesta", explica a Dra. Ana Cristina Fasanella, dermatologista, Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e Membro do Grupo Brasileiro de Melanoma. E, por isso, a Dermatite Seborreica aparece em regiões do corpo onde existe maior concentração de glândulas sebáceas, como couro cabeludo, centrofacial, supercílios e tórax anterior.

A seguir, Dra. Ana Cristina Fasanella responde a mais questões que envolvem esta doença dermatológica.

1) Quais fatores podem desencadear o aumento da produção de oleosidade pelas glândulas sebáceas e, consequentemente, o aparecimento da dermatite seborreica?

Pode ser ligada a fatores emocionais como o stress, e no inverno com tempo seco e banhos quentes.

2) Quais são os sintomas da dermatite seborreica?

Placas avermelhadas descamativas, ou somente descamação esbranquiçada no couro cabeludo, vulgarmente chamada de caspa, assim como nos supercílios, centro facial e tórax anterior.

3) A dermatite é contagiosa? Ela pode ser adquirida usando objetos de outra pessoa como, por exemplo, um pente?

Não é transmitida por contato direto ou por objetos de uso pessoal, e sim é uma doença inflamatória da pele não contagiosa.

4) Existe algum fator externo que pode levar o indivíduo a desenvolver a dermatite seborreica?

Tempo seco e banhos quentes.

5) Quando a dermatite atinge bebês, os sintomas se diferenciam dos adultos?

Em lactentes, ela é caracterizada por escamas e crostas aderentes ao couro cabeludo, amarelo esbranquiçadas, conhecidas como Crosta Láctea.

6) E na fase adulta como ela se apresenta?

Na adolescência e vida adulta, ela pode se desenvolver nos supercílios, pregas nasolabiais e couro cabeludo, assim como no centro do tórax, como placas avermelhadas descamativas, ou somente descamação esbranquiçada no couro cabeludo, vulgarmente chamada de caspa.

7) Como deve ser feito o tratamento? É o mesmo tratamento para adultos e crianças? O que acontece se a pessoa não tratar?

Deve ser feito através de medicamentos na pele e couro cabeludo. O uso de xampus adequados, cremes e loções, prescritos pelo dermatologista, são bem tolerados e controlam as agudizações da mesma, com as respectivas indicações de acordo com a idade do paciente. É uma doença que compromete a aparência do indivíduo, que quando não tratada, leva a desconforto social e baixa da auto-estima.

O tratamento deve seguir tanto no período de crise quanto na fase intercrise, para tratar e prevenir as lesões. Mas isso não significa que terá efeito curativo.

8) Como as erupções cutâneas ocorrem predominantemente nas áreas de maior produção de oleosidade pelas glândulas sebáceas, deve-se evitar alimentos gordurosos durante o tratamento, como chocolate?

A dieta não tem efeito sobre o tratamento.

9) A erupção cutânea acompanhada de manchas vermelhas são alguns dos indícios de maior evidência da Dermatite. Há outros sintomas?

As erupções podem vir acompanhadas de coceira local e perda dos pelos ou cabelos, e quando atinge os cílios é chamada de Blefarite.

10) Quando atinge os cílios, o tratamento deve ser realizado em conjunto com o oftalmologista?

É muito importante o acompanhamento com os dois especialistas.

Drª Ana Cristina Fasanella (CRM 74335), é médica dermatologista, Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica, Membro do Grupo Brasileiro de Melanoma. É Diretora da Clínica Dermatologia Fasanella em São Paulo-SP.

veja também