Sem sufoco: um guia de compra para o primeiro terno

Sem sufoco: um guia de compra para o primeiro terno

Atualizado: Quinta-feira, 1 Julho de 2010 as 9:07

Você, garoto, sempre viveu feliz da vida com o seu estilo leve, solto e básico, não é? É provável que tenha se esquecido que seus dias de glória e conforto foram ou irão embora assim que você arrumar um emprego que exija trabalhar de terno. Se ainda não é esse o seu caso, não se preocupe. Você não escapará do terno mesmo assim. Nem que seja para ir ao casamento de algum parente.

Precisar vestir terno todos os dias pode ser visto como um verdadeiro pesadelo na vida de um homem. Mas não é para ser. Hoje existem modelos e formatos muito variados que buscam o conforto e a elegância. Por isso, você não precisa sofrer com isso. Como já sabemos que comprar um terno não é uma tarefa simples (e não sai barato), convocamos o consultor de moda Guilherme Cury para dar dicas infalíveis para aqueles que vão se aventurar com a peça pela primeira vez.

Primeiro passo

O terno é uma peça tradicional no guarda-roupa masculino, porém, quem nunca usou pode estranhar, pois, além do ar sério que confere, também traz a limitação dos movimentos do corpo. "O homem deve se preocupar em encontrar um terno que vai poder ser utilizado todo dia com conforto. E lembrar sempre de testar o blazer e a calça, conferindo se a manga não está muito longa e se o ombro está com o caimento certo. O terno precisa servir perfeitamente. O ajuste deve ser feito conforme as necessidades do seu corpo", diz ele.

Cores mais comuns

 Se você está precisando de um terno para trabalhar o ideal é investir nas cores mais sóbrias. "O preto é infalível, mas é bom ter alguma outra opção de cor. Uma cinza entre médio e escuro ou azul marinho são clássicos. Os ternos com risca de giz ou até xadrez são mais elegantes e podem ser boas opções para um evento importante", indica Guilherme Cury.

Tipos de cortes

 Existem três tipos de cortes tradicionais de terno. E cada um dá um efeito diferente no corpo. O corte americano, por exemplo, por ser mais amplo e solto. Ele esconde as formas de quem usa e, por isso, não fica tão bem para homens mais magros. O corte inglês é levemente acinturado, mas não é muito usado hoje em dia.

"Se você quer ficar mais moderno, o corte europeu, ou italiano, é o mais indicado. É acinturado, com mangas mais estreitas, ombros mais quadrados e calça afunilada, ajustada nas coxas. Hoje em dia é possível achar variações do corte italiano, como o terno slim, que é bem mais ajustado ao corpo. O importante é experimentar os diferentes tipos e achar o que de melhor encaixa com o seu perfil", explica Guilherme.

Atenção aos detalhes

 O ideal é que a lapela acompanhe o formato do corpo do homem. Um torso muito largo ou cheio pede uma lapela que não seja muito fina. Se o torso for mais miúdo, prefira lapelas médias ou finas. Os formatos pontudos ajudam a alongar o torso e a silhueta, portanto, quem precisa de mais volume, elas são aconselhadas.

A largura da gravata segue a dica da lapela. O tronco largo pede uma gravata larga e vice-versa. "É importante ter diversos tipos e cores de gravatas. Hoje o modelo mais moderno do mercado são as gravatas slim, estreitas", indica Guilherme Cury. É importante ressaltar que a cor da gravata vai de acordo com o estilo da pessoa, porém, dependendo do ambiente de trabalho, é bom fugir do chamativo ou cores berrantes. Ah, que fique claro: estampas de bichinhos ou motivos infantis só valem para a festa à fantasia.

Paletó: Dois ou três botões?

Os paletós com dois botões geralmente são os que têm a gola mais larga e os ternos slim. Os modelos com três botões são os mais tradicionais. Qualquer um dos dois tipos é indicado para o dia a dia. "Porém, um terno mais clássico pode ser um pouco mais confortável para o trabalho, lembrando que o último botão deve estar sempre aberto", afirma Guilherme.

Camisa

"Para quem está começando a trabalhar com traje social, é aconselhável que se tenha pelo menos seis camisas, desde as cores básicas como branca, preta, azul ou chumbo, até as riscadas, xadrez ou listradas para variar", indica Guilherme Cury.

Calças

A calça é a parte da roupa social que mais precisa ficar confortável. Talvez a tendência de quem nunca comprou uma seja a de usá-las de forma mais larga, mas o caminho não é bem por aí. "Nada de exageros que requeiram ajuda extra. A calça deve ser bem ajustada para não reter os movimentos e nem ficar caindo. Lembrando sempre que no look social, o uso de cinto é obrigatório", afirma Guilherme.

Em relação à barra, Guilherme Cury ensina que elas devem cobrir o sapato, mas não muito para não atrapalhar a caminhada. O ideal é que ela fique um pouco acima do salto do sapato, que, aliás, deve ser sempre social, de fivela ou cadarço.  

Por: Andressa Basilio

veja também