Seus olhos também precisam de proteção solar

Seus olhos também precisam de proteção solar

Atualizado: Terça-feira, 8 Setembro de 2009 as 12

Atualmente, principalmente no período que antecede à chegada do verão, é muito comum médicos dermatologistas falarem a respeito da importância do uso do filtro solar para prevenção do câncer de pele e do envelhecimento precoce. Mas, pouco se ouve sobre a importância da proteção dos olhos contra os efeitos da radiação ultravioleta, o que é possível com o uso de óculos escuros com filtros que bloqueiam contra os raios UVA e UVB.

A radiação UV é invisível aos nossos olhos, porque atua num comprimento de onda abaixo do que o olho humano consegue captar. Ainda mais, para agravar a situação, esse nível de radiação tem aumentado em função da destruição da camada de ozônio, que funciona como um escudo protetor da superfície terrestre contra a sua incidência.

Apesar de invisível, os efeitos da radiação nos olhos são bastante graves e cumulativos. Segundo o Dr. Eduardo Pesarini, médico oftalmologista da Clínica STAG de São Paulo, os raios ultravioletas podem provocar consequências de forma aguda ou crônica. "Na forma aguda, podemos observar vermelhidão, aversão à luz/fotofobia, lacrimejamento intenso, ardência, coceira, entre outros. Já no quadro crônico, como os efeitos são a longo prazo, pode ocorrer um aumento do risco para formação de pterígio (degeneração da conjuntiva com formação de uma película fibrovascular de forma triangular que acomete a córnea, tanto no ângulo interno, como externo do olho (vulgarmente chamada de carne crescida ou carne esponjosa do olho), além do aumento do risco para a formação de catarata, lesões da retina como, por exemplo, maculopatia solar entre outras", explica o médico.

Os óculos com lentes filtrantes coloridas ou absortivas têm como objetivo a atenuação das radiações luminosas visando a proteção ocular com maior conforto, sendo possível o aumento do contraste e uma redução do ofuscamento, levando a uma melhora na percepção das cores. A lente mais adequada é aquela que promove a melhor visão, sem alterar a cor dos objetos, no entanto, mais importante do que a cor das lentes, é a proteção que elas oferecem.

O especialista lembra ainda da importância da consulta com o oftalmologista para detectar se a pessoa é portadora de alguma necessidade especial como, por exemplo, albinismo ocular, maculopatia retinose pigmentar, entre outras doenças degenerativas que afeta as células da retina sensíveis à luz, cujo principal sintoma é baixa de visão noturna e dificuldade de adaptação claro-escuro. No caso da Retinose Pigmentar, por exemplo, ela pode utilizar um filtro amarelo/Ambar nas atividades de baixo nível de iluminação onde esta aumentaria o contraste e cinza escuro em ambiente externo, atenuando sensivelmente a sensação de ofuscamento. A pele sensível ao redor do olho também fica protegida sob as lentes, uma vez que os protetores solares de uso tópico não devem ser aplicados nesta região (protetores podem ser usados desde que sejam próprios para uso periocular). Recomenda-se ainda em exposições mais prolongadas o uso de chapéu ou boné.

Vale ainda a recomendação de procurar sempre um estabelecimento de confiança ao adquirir os seus óculos de sol, pois só é possível comprovar se as lentes que possuem a proteção UVA e UVB com medições técnicas e certificados de garantia original. "Utilizar óculos de sol sem proteção UV pode ser ainda mais prejudicial do que não utilizar, pois o uso de lentes mais escuras provoca a dilatação da pupila e, por conseqüência, maior absorção ocular dos raios UV", esclarece Pesarini.

veja também