A esgrima como terapia

A esgrima como terapia

Atualizado: Quinta-feira, 12 Junho de 2008 as 12

Ainda pouco praticada no Brasil, a esgrima pode fazer as vezes de uma ótima terapia para quem precisa superar certos medos e desafios psicológicos. Especialistas no assunto garantem que a prática do esporte trabalha a autoconfiança, cortesia, autocontrole e superação.

O psicólogo esportivo Marco Ferreira, que acompanha os esgrimistas da seleção brasileira que representaram o País nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, Athos e Ivan Schwantes explica que, como na esgrima não há divisão de peso e altura entre os oponentes, a estratégia tem um papel fundamental. "Um atleta de 1,60m pode enfrentar outro de 2,00m e aplicar uma estratégia vencedora. Isso o faz sentir-se capaz de superar grandes obstáculos e ajuda a firmar sua autoconfiança", detalha.

Segundo Ferreira, a esgrima é recomendada tanto para pessoas que possuem um alto potencial de atividade, quanto para os mais introvertidos. "Poucos esportes trabalham esses dois extremos. Os mais agitados são beneficiados pela liberação de adrenalina durante o jogo, que acaba por acalmá-lo. Além disso, a necessidade de concentrar-se e controlar suas ações e prever as do adversário leva ao domínio das emoções primárias, como a impulsividade e a agressividade. Já os mais tranqüilos são forçados a despertar a agilidade, o reflexo e a atenção no adversário, o que auxilia na desenvoltura", explica o psicólogo esportivo.

Outro ponto forte trabalhado na prática da esgrima é o respeito e a cortesia. "O início do combate é marcado por um cumprimento entre os adversários, que inclui levantar e tocar as espadas, antes de colocar a máscara. Ao final, também há um aperto de mãos. Tudo isso denota um grau elevado de confiança e respeito mútuos", comenta.

O corpo também agradece

Como todo esporte, a esgrima também traz benefícios para a musculatura. A movimentação ágil e precisa trabalha tanto os membros superiores quanto os inferiores. "É um esporte simultâneo, porque a força e o deslocamento dependem do movimento muscular constante das pernas. Por outro lado, o tronco e os braços precisam estar sempre rígidos e isso exige um forte trabalho muscular", explica o médico fisiologista Júlio César Bassan. Tonificação das pernas e dos glúteos, além da postura, são apenas alguns dos efeitos perceptíveis.

A médica esportista Vera Piloto complementa, acrescentando outros ganhos internos, para todo o organismo. Para ela, a esgrima é ótima para a oxigenação das células, inclusive cerebrais. "Há um intenso estímulo na produção de novas células, o que ajuda a prevenir patologias", explica.

Postado por: Claudia Moraes

veja também