A importância de um lanchinho antes do treino

A importância de um lanchinho antes do treino

Atualizado: Segunda-feira, 26 Julho de 2010 as 9:29

Muitas pessoas, estimuladas pelo desejo de perder peso rapidamente, acabam apelando para as mais diversas receitas e simpatias, supostamente milagrosas, mas geralmente desastrosas. Em algumas exceções podemos observar resultados iniciais aparentemente positivos, fato este que acaba favorecendo a propagação destas manias, mas muitas vezes acompanhados de riscos indesejáveis, além de provocar reações de resposta tão complexas no organismo que os resultados a médio e longo prazo acabam se demonstrando opostos ao desejo inicial.

São dietas, medicamentos, cremes, pomadas, injeções, chás, orações, entre tantos outros truques mirabolantes. Em nossos contatos futuros discutiremos essas receitas mágicas, desmistificando muito do que se ouve por aí. Hoje falaremos de um comportamento dietético muito observado em academias, clínicas e consultórios, bastante perigoso pela freqüência em que é utilizado e pelos seus efeitos sistêmicos sobre o organismo, capazes de colocar a própria saúde em risco. Trata-se do exercício em jejum, especialmente o treinamento aeróbio em altas intensidades. Esta idéia parte de um referencial teórico verdadeiro, mas que demonstra uma visão muito simplista e parcial diante de toda a complexidade do corpo humano. O objetivo inicial é o de ampliar o déficit calórico, aumentando o gasto energético e diminuindo a ingestão alimentar, aparentemente maximizando a perda de peso. Podemos reduzir a quantidade calórica global de nossa dieta, principalmente ajustando a composição dos nutrientes, mas é importante que a oferta de energia para o exercício seja sempre mantida.

A idéia de treinar em jejum demonstra-se prejudicial quando percebemos que para a realização de esforços contínuos, principalmente em intensidades elevadas, não é possível “queimar” exclusivamente gordura como fonte de energia, sendo então que na ausência de carboidrato, substrato preferencial nestas situações, a proteína acaba sendo utilizada como substrato alternativo para o exercício. Inicialmente pode ser observada redução no peso corporal, mas com perda não desejada de massa magra, o que reduz a atividade metabólica basal, além de prejudicar o desempenho mecânico, provocando queda no gasto calórico de repouso e de esforço, reduzindo a perda de peso nos meses subseqüentes e aumentando a sensação de cansaço, culminando muitas vezes no abandono do programa de treino. Além disso, existe o risco de queda na glicemia durante o exercício com mal estar, tontura e até desmaios. Dessa forma, recomenda-se a ingestão de uma dieta leve contendo carboidratos de fácil digestão, como uma fruta, um suco, um sanduíche, torradas ou bolachas, além de porções de carboidrato específico para praticantes de atividade física (maltodextrina) disponível em gel ou em pó para preparação de sucos.

A característica mais importante para um programa de dieta e exercícios seguro e eficaz baseia-se na continuidade, por longo prazo, de mudanças nos hábitos de vida, na adoção de comportamentos saudáveis, no respeito aos limites do organismo e na oferta das melhores condições para o desempenho do nosso corpo. Assim, lembre-se de alimentar-se de maneira adequada antes dos treinos, seguindo as recomendações de seu professor, nutricionista e médico para atingir a melhor resposta ao programa desenvolvido pela equipe.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também