Academias criam programas especiais para atender maiores de 60

Academias criam programas especiais para atender maiores de 60

Atualizado: Sexta-feira, 6 Maio de 2011 as 9:59

Sabe qual é a "nova" das academias? Gente mais velha.

Os pequenos grupos dos programas especiais para alunos com mais de 60 cresceram, e a turma de 70, 80, 90 ocupa cada vez mais espaço nas salas de musculação.   O novo público se encaixa numa mudança que vem ocorrendo aos poucos no conceito de academia de ginástica, segundo Waldir Soares, presidente da Fitness Brasil. A empresa organiza as maiores feiras do setor da América Latina.

"Há cinco anos, o culto ao corpo era muito forte, e academia era lugar para homem ficar forte e mulher ficar com bumbum duro. Hoje, há uma procura maior por bem-estar e qualidade de vida, que é o que o público mais velho busca."

POTENCIAL DE MERCADO

O aumento de alunos nessa faixa etária não é surpresa em um país que está envelhecendo. Mas as academias ainda não perceberam todo o potencial do mercado de alunos mais velhos.

"Além dos que estão nos seus 70, há um contingente de alunos a partir dos 50, e certamente eles não chegam como o garotão que vai puxar ferro. Eles devem ser recebidos com outro olhar. Talvez o desafio agora seja investir em avaliações físicas mais completas", diz Soares.

É possível que os cinquentões estejam correndo mais risco do que seus colegas de academia com mais idade.

Quem começa a fazer exercício depois do 60, costuma vir por recomendação médica. "As academias solicitam atestado do cardiologista liberando o paciente para a atividade", diz o ortopedista Ricardo Cury, da Santa Casa de São Paulo.

Esses alunos costumam fazer avaliações médicas regulares, independentemente de a academia pedir os exames.

Já o sujeito de 50, dependendo de seus hábitos de vida, pode ter a idade biológica muito mais avançada do que a real. Enquanto um com idade para ser seu pai exibe taxas de colesterol de fazer inveja aos saradões.

Como as do dentista Benedito Bassit, 74. "Não fico contando vantagem, mas estou com meu exame e o colesterol total deu 129", diz ao telefone à reportagem da   Folha , enquanto espera a consulta com seu médico ortomolecular.

"Estou bem assim porque faço exercício. Só tomar remédio não adianta."

Benedito, que começou a treinar aos 59, faz musculação às segundas, quartas e sextas-feiras e corre na esteira às terças e quintas. Passa duas horas por dia na academia.

PROFESSOR PREPARADO   Ele afirma que não é preciso montar aulas ou um ambiente especial para os velhos. "Não precisa ser nada sofisticado. O mais importante é ter algumas meninas bonitas para a turma se entusiasmar. E professor preparado para monitorar."

Vilmar Villas, gerente técnico da unidade Kansas da rede de academias Cia Athletica, em São Paulo, concorda: "O fundamental é investir na capacitação dos profissionais".

Equipes multidisciplinares, que incluem fisioterapeutas, nutricionistas e profissionais de educação física, devem ser formadas para orientar e entender as necessidades de alunos com mais idade ou condições médicas específicas.

Muitas situações de saúde podem gerar restrições temporárias à prática de exercícios, e os professores devem ter preparo para identificá-las e encaminhar o aluno ao especialista.

"As mais comuns são a hipertensão e o diabetes mal controlado. É preciso acompanhamento médico e ajuste da medicação para a pessoa iniciar ou retomar o treino", diz o cardiologista José Kawazoe Lazzoli, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte.

Kawazoe afirma que uma boa academia deve ter uma equipe com treinamento periódico em primeiros socorros e um desfibrilador externo automático.     A legislação brasileira não obriga toda academia a ter esse aparelho. A obrigatoriedade, definida por leis estaduais ou municipais, está relacionado à concentração ou circulação média diária de pessoas --em geral, algo entre mil e 1.500 pessoas.

Waldir Soares, da Fitness Brasil, especula que o investimento em equipamentos de segurança e até em médicos fixos nas academia pode ser um diferencial de marketing.

"As redes ficam procurando estratégias para atrair e reter alunos, oferecendo brindes, camisetas. Mas o maior brinde é a sua vida. É preciso se preparar para mostrar a esses novos clientes [mais velhos] que eles vão ter segurança; 'venha alongar a sua vida, mas não morra'."

O segredo, para o bancário aposentado Antônio Ferreira Batista, 93, é não exagerar. "Tenho um companheiro de esteira que não passa de 2 km por hora. Eu faço 5 km. Está bom demais."

Antônio, que colocou marco-passo há cinco anos, treina cinco vezes por semana e faz cerca de 30 minutos esteira todo dia. Está ótimo.     TESTES INDICADOS PARA QUEM VAI COMEÇAR NA ACADEMIA

HISTÓRICO DE SAÚDE

Obtido por meio de questionário sobre hábitos de vida, doenças anteriores, saúde dos familiares e uso de remédios. No jargão médico, é chamado de anamnese.

EXAME CLÍNICO

O médico mede a pressão arterial, ausculta o coração e o pulmão e faz um exame visual das condições corporais.

AVALIAÇÃO POSTURAL

São observados desvios na coluna, desalinhamentos de ombros, joelhos etc.

ERGOMÉTRICO

Acompanhado por um médico e com eletrodos colocados no peito para monitorar a atividade cardíaca, o aluno corre na esteira ou pedala na bicicleta, aumentando progressivamente o esforço até atingir a frequência cardíaca máxima.

ANTROPOMÉTRICO

Medem-se peso, altura, circunferência da cintura, quadril, coxas, braços e tórax. Com uma espécie de compasso, são medidas dobras cutâneas para o cálculo da porcentagem de massa gorda (gordura corporal) e de massa magra (peso dos músculos, ossos, vísceras etc.).

RESISTÊNCIA MUSCULAR

Verifica quantas vezes a pessoa consegue executar determinado exercício em 1 minuto. Em geral, são testados exercícios abdominais e flexões de braço.

FLEXIBILIDADE

O aluno executa um ou mais exercícios de alongamento, para verificar a flexibilidade articular e a capacidade máxima de extensão dos músculos.

MALHAÇÃO SÊNIOR

BIO RITMO

A rede tem um programa para alunos com mais de 60 anos, com aulas aeróbicas, musculação, alongamento, reeducação postural, pilates e ioga, com o acompanhamento de profissionais especializados nesse público.

Preço: de R$ 120 a R$ 380 por mês

Tel. (11) 3365-0800, SP

BODYTECH

A unidade de Copacabana, no Rio, tem uma sala de musculação só para quem tem mais de 60. Lá são feitos exercícios funcionais para melhorar o equilíbrio e reduzir o risco de quedas. Os alunos passam por avaliação física completa.

Preço: de R$ 270 a R$ 285 por mês

Tel.: (21) 2545-7538, RJ

CIA ATHLETICA

O pacote para maiores de 60 inclui ginástica, hidro, bicicletas e minicama elástica dentro da piscina, circuito e musculação com grupos.

Preço: R$ 308 por mês, com permanência mínima de 3 meses

www.ciaathletica.com.br

COMPETITION

O programa específico tem musculação, hidroginástica, pilates, alongamento e atividades para melhorar a postura. Há aulas em grupo com acompanhamento mais atento dos professores.

Preço: R$406 por mês no plano quadrimestral

www.competition.com.br

FÓRMULA

O programa dirigido para os mais velhos não exige idade mínima. As aulas incluem exercícios para fortalecer músculos que facilitam subir escadas e manter o equilíbrio, por exemplo. Pressão e pulsação são medidas antes e depois do treino. A ficha de exercícios tem letras grandes.

Preço: R$ 530 por mês

Tel. (11) 2197-7333, SP

REEBOK SPORTS CLUB

O programa para alunos com mais de 60 anos tem acompanhamento individual. São oferecidas aulas de equilíbrio, memória e habilidades motoras. A aula de hidro é exclusiva para esse público.

Preço: R$ 414 por mês, em média

Tel. (11) 3759-7878, SP

RUNNER

Algumas unidades da rede têm um pacote sênior, com atividades para aumentar o equilíbrio, a concentração a densidade óssea. Mensalmente, são realizadas atividades sociais, como visitas a museus e lanches da tarde.

Preço: R$ 180 por mês (os preços variam de acordo com a região)

www.runner.com.br    

veja também