Alimentação e pressão alta

Alimentação e pressão alta

Atualizado: Terça-feira, 25 Outubro de 2011 as 1:06

A pressão alta não atinge apenas as pessoas mais velhas. Os jovens devem ficar atentos porque podem passar pelo mesmo tipo de problema e também precisar de acompanhamento médico. Se há vezes em que é necessário o uso de medicamentos para controlar a pressão, em todos os casos a alimentação é uma aliada importante.  

“O sódio, por exemplo, é o principal causador da retenção de líquidos, o que obriga os vasos sanguíneos a trabalharem mais depressa e eleva, consequentemente, a pressão”, diz a nutricionista Laura David Leal, de São Paulo. Entre os alimentos ricos na substância estão os industrializados, como molhos prontos, salsichas e hambúrgueres ou pizzas congelados. É por isso que o melhor mesmo é seguir um cardápio o mais natural possível.  

Se você é fã do queijo na hora de preparar o seu café da manhã e apresenta alguma tendência à pressão alta, é bom inclusive ir devagar com alguns deles. Os queijos tipo prato, cheddar, gorgonzola e parmesão, além de mais calóricos, são produzidos com uma quantidade maior de sódio na fórmula. As opções minas frescal, ricota e cottage são magras e contêm bem menos substâncias prejudiciais à pressão.  

Se você, aliás, deseja incrementar a lista de aliados na sua dieta contra a pressão alta, o cálcio é um elemento que pode ajudar. Conforme explica Laura, os rins precisam de cálcio para equilibrar os níveis de sódio e água do corpo. Dessa forma, alimentos como os próprios queijos mais saudáveis, o leite e o iogurte dão ótima contribuição ao cardápio, já que são fontes do mineral – uma dica: os iogurtes com probióticos, as também chamadas “bactérias do bem”, de quebra, oferecem cálcio e ainda auxiliam no bom funcionamento do intestino.

A nutricionista chama atenção para o fato de que certos remédios contra a pressão alta reduzem os níveis de potássio do corpo. Se esse for o seu caso (e não houver qualquer restrição relacionada à ingestão da substância), uma estratégia para compensar esse fato é consumir com maior frequência alimentos como banana, laranja, tomate e batata. Eles oferecem uma boa dose de potássio. Para o melhor equilíbrio no cardápio, no entanto, é essencial consultar um especialista.

Alho no lugar do excesso de sal

Laura observa que a maior necessidade de sal por parte de algumas pessoas é fruto de uma educação alimentar que sempre incluiu o tempero nos alimentos. Por isso, é importante que hipertenso tente reeducar o paladar, para que o tratamento do problema se torne natural. Para quem não consegue deixar de temperar carnes, massas, molhos e saladas com o sal, a dica é procurar versões com menos sódio nos supermercados. Já existem, aliás, algumas marcas que fabricam o sal light, dotado de menos sódio na composição.

Outra estratégia é usar o alho, que em estado puro não representa qualquer risco à pressão arterial e dá um bom gostinho à comida. Temperos como louro, orégano, salsinha e cebolinha garantem o mesmo efeito e não fazem mal à saúde.

veja também