Apnéia do Sono: sintomas e tratamento

Apnéia do Sono: sintomas e tratamento

Atualizado: Domingo, 3 Janeiro de 2009 as 12

Apnéia do sono é definida como paradas repetidas e temporárias da respiração durante o sono e é freqüentemente associada ao ronco.O ronco, por sua vez é a tradução sonora de um estreitamento da via aérea durante a passagem de ar.

A Síndrome de Apnéia Obstrutiva do Sono (SASO) ocorre quando o esforço respiratório é iniciado, mas o ar não chega aos pulmões pela obstrução da via aérea. É mais freqüente em obesos com aumento do volume do abdomen e que apresentam pescoço curto.

O exame utilizado para se fazer o diagnóstico chama-se polissonografia. No exame se determina o número de episódios de apnéia (parada da respiração) e hipopnéia (respiração superficial) que ocorrem durante a noite (Índice de Apnéia /Hipopnéia-IAH) e à partir deste número se classifica a apnéia em leve, moderada ou grave.

Os principais sintomas clínicos são sonolência diurna excessiva (durante o trabalho, para dirigir, nas refeições, durante conversas, lendo...), ronco intenso (podendo chegar à 60 dcb), cefaléia frontal pela manhã, distúrbios psiquiátricos (depressão, ansiedade, irritabilidade, diminuição da capacidade de concentração, perda de memória) impotência ou diminuição da libido.

Uma vez feito o diagnóstico o tratamento inicia-se por medidas gerais: perda de peso, atividade física, abandono de ingestão de bebidas alcoólicas especialmente à noite, evitar uso de medicamentos que possam relaxar a musculatura (calmantes, relaxantes musculares, sedativos), tratamento de problemas associados como hipertrofia de amígdalas, adenóides, desvio de septo nasal, rinite.

Nas apnéias leves indica-se o uso de próteses dentárias visando a retenção da língua e o avanço da mandíbula para evitar a obstrução durante o sono.

Nas apnéias moderadas a graves indica-se o uso de próteses ventilatórias ?CPAP ou BIPAP-que aplicam pressão na via aérea evitando o fechamento.

A apnéia não corrigida pode ter como conseqüência inúmeras patologias como arritmias cardíacas, hipertensão arterial, isquemia cardíaca, entre outras.

Por: Dra. Ariane Mutti - pneumologista

veja também