As dores mais comuns: o que você pode fazer

As dores mais comuns: o que você pode fazer

Atualizado: Terça-feira, 21 Setembro de 2010 as 5:45

Cólicas do recém-nascido

Muito comuns, costumam desaparecer até o terceiro mês de vida. São causadas pela fermentação do leite, associada à imaturidade do intestino, originando a formação de gases no tubo digestivo. Podem ser mais ou menos intensas, de acordo com o cardápio da mamãe, já que tudo o que ela come passa para o leite materno. Evite, então, alimentos gordurosos, chocolate, leite e seus derivados em excesso.

Dica

Tente tranqüilizar o bebê. Ajude-o a eliminar os gases, deitando de bruços sobre a sua barriga, para que sinta o calorzinho da mamãe. Compressas mornas também costumam aliviar. Massageie sua barriguinha, com as mãos, faça movimentos de pedalar e/ou dobre e estenda as coxas do neném sobre o próprio abdômen. Não ofereça chás de erva-cidreira ou erva-doce, pois costumam provocar prisão de ventre. Continue apenas com o leite materno e converse com o pediatra sobre o uso de analgésicos para facilitar a eliminação dos gases.

Dor de ouvido

Uma das mais freqüentes e mais desesperadoras. Pior, quanto mais a criança chora, mais aumenta a pressão no ouvido, piorando a dor. A otite média – infecção da membrana e da caixa do tímpano por vírus ou bactérias – requer tratamento com antibióticos. Portanto, leve a criança ao médico, sem demora.

Dica

Apalpar a região em volta da orelha para identificar o problema só resolve no caso de otites externas, causadas pelo acúmulo de água (poluída, em muitos casos) da praia ou da piscina. A otite média é mais profunda. Converse com o pediatra sobre o uso de analgésicos e, para aliviar, deite seu filho, colocando uma compressa morna sobre sua orelha. Acalme-o, cantando baixinho, distraindo-o, para que ele pare de chorar e, assim, diminua a pressão no ouvido .

Dor de garganta

Raramente ocorre antes dos seis meses de vida. Causadores são vírus, bactérias ou os dois ao mesmo tempo. Leve seu filho ao pediatra. Se a origem for bacteriana, é provável que ele indique um antibiótico, para evitar complicações como a febre reumática. Se for virótica, como na gripe ou resfriado, indicará um analgésico.

Dica

Evite alimentos gelados e ácidos e dê o remédio recomendado pelo médico. Cuidado com sprays analgésicos: em grande quantidade podem paralisar a musculatura responsável pela deglutição. O risco é do leite ser aspirado para o pulmão.

Dor de barriga

Em crianças acima de um ano, a culpa costuma ser das verminoses, da prisão de ventre ou da diarréia. Verifique há quanto tempo seu filho está sem fazer cocô ou quantas vezes já fez e qual o aspecto das fezes. Compressas mornas aliviam, mas é sempre bom ouvir o pediatra. Hidrate bem o seu doentinho e ofereça somente alimentos leves para não sobrecarregar os intestinos.

Dica

Não dê antidiarréicos por conta própria, pois o organismo precisa eliminar o que está fazendo mal. Certamente, o pediatra vai solicitar um exame de fezes para identificar se o problema é verminose, de que tipo e, assim, recomendar o tratamento.

Enquanto a diarréia persistir, diminua a gordura do cardápio. Se ele estiver com prisão de ventre, ofereça alimentos laxantes, como o mamão e a ameixa, e os mais ricos em fibras, como as verduras e os cereais. No preparo das refeições, use óleo ou azeite, para melhorar o funcionamento do intestino.

Dor de cabeça

Não é um problema exclusivo dos adultos. Ataca crianças também e não são poucas. As razões variam: deficiência visual, sinusite, alergias, tensão, exposição excessiva à tela da TV, etc. Repouso, tranqüilidade e compressas frias ajudam a aliviar.

Dica

Analgésicos podem mascarar o problema, retardando o diagnóstico. A não ser em gripes e resfriados, e com a indicação do pediatra. É bom pesquisar as causas.

Por Sylvia Leal

veja também