Câncer de colo de útero mata o dobro do registrado

Câncer de colo de útero mata o dobro do registrado

Atualizado: Quinta-feira, 2 Setembro de 2010 as 3:33

O número de mortes causadas por câncer de colo do útero no país deve ser duas vezes maior do que o registrado, revela pesquisa da Universidade do Estado do Rio de Janeiro que avaliou mais de 9 milhões de óbitos.

Nas capitais da região Sul houve a menor variação: 35% mais mortes do que as registradas. No interior do Nordeste, a diferença chegou a 339%. Os autores analisaram todos os registros do Sistema de Informação sobre Mortalidade de 1996 a 2005.

Segundo o artigo, há óbitos que não são registrados e um grande número de mortes classificadas com causas mal definidas. Nos casos de câncer de útero, muitos não têm especificação do local exato onde ocorreu o tumor.

Para corrigir as distorções, os autores da pesquisa usaram uma ferramenta estatística (fatores de expansão) criada pelo projeto Carga Global de Doenças no Brasil.

"Esses fatores estimam a proporção de óbitos que estão faltando", explica a enfermeira Carmen Gamarra, uma das autoras.

REDISTRIBUIÇÃO

Com essa metodologia, é possível redistribuir os óbitos com lacunas nos registros -a redistribuição estatística obedece a um valor proporcional das mortes que ocorrem por causas definidas.

"Os resultados estão dentro do esperado, porque ainda há problemas de qualidade do diagnóstico, principalmente nas regiões Norte e Nordeste", diz Claudio Noronha, coordenador-geral de ações estratégicas do Instituto Nacional de Câncer.

Sem correção, as taxas de mortalidade no país são muito mais baixas do que as internacionais. Corrigidos, os índices se aproximam dos demais países.

"Os dados podem ajudar a distribuir regionalmente os recursos para o tratamento da doença e selecionar as regiões que merecem intensificação de medidas preventivas", diz Gamarra.

Para os autores, os médicos deveriam ser mais bem treinados para preencher os atestados de óbito.

Por: Gabriela Cupani

veja também