Câncer de pele

Câncer de pele

Atualizado: Quinta-feira, 11 Fevereiro de 2010 as 12

Ano a ano, percebe-se que quando chega o verão, surgem inúmeros alertas sobre os cuidados que devemos ter com a exposição ao sol, para evitarmos o câncer de pele.

Como esse é um assunto que interessa a todos nós, procuramos uma especialista, a Dra. Denise Steiner, médica especializada em dermatologia, para nos esclarecer dúvidas e orientar-nos sobre os melhores procedimentos para aproveitar tudo que o verão tem de melhor.

Resolvemos começar esta matéria procurando esclarecer de forma simples e acessível o que é o câncer de pele. Trata-se de uma proliferação irregular, incontrolável das células da pele, que desenvolvem algum defeito e passam a se dividir de forma "alterada" e em grande quantidade. Esta é uma doença, que se não for detectada e tratada precocemente, pode oferecer risco de vida.

Os tipos mais comuns de câncer de pele são: carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e melanoma (o mais perigoso.

O carcinoma em suas duas formas tem seu aparecimento basicamente ligado a exposição à radiação solar e portanto são mais comuns em pessoas com pele mais clara, pessoas mais idosas e em geral localizam-se nas áreas do corpo mais expostas ao sol. Já o melanoma não é essencialmente ligado à questão da radiação solar, e sim outros fatores podem desencadear a doença, como por exemplo a propensão genética, que atinge tanto pessoas mais jovens ou com pele mais escura.

Quando nos expomos ao sol por muito tempo sem proteção, os raios solares ultravioleta (UVA e UVB), penetram em diferentes camadas da pele, agredindo-a, e num efeito cumulativo de diversas exposições ao sol, sem os devidos cuidados, podem terminar produzindo alterações no DNA das células da pele.

Os sintomas básicos do câncer de pele tipo carcinoma são feridas que não cicatrizam, com sangramento eventual ou um caroço, que apresente vermelhidão ou descamação, enfim algum tipo de lesão que sempre apresenta atividade, sem cicatrizar, geralmente nas áreas expostas.

No caso do melanoma os sinais apresentados são pintas que a pessoa já possui e que se transformam, mudando de cor, inflamando, descamando, demonstrando uma modificação, ou ainda pintas que surgem espontaneamente, sendo irregulares, escuras ou grandes.

Para se prevenir do câncer de pele, o mandamento n°1 é proteger-se do sol, evitando ficar com a pele vermelha (sinal de que houve uma grande agressão à pele). Para isso é importante o uso correto do protetor solar: espalhe o protetor em todas as partes do corpo expostas, pelo menos 20 minutos antes de ficar ao sol e repita a aplicação a cada duas horas. Use protetor solar na praia ou piscina, mesmo estando na sombra ou se o dia estiver nublado, pois as nuvens não filtram os raios solares, e a água, areia e os pisos em geral refletem os raios solares.

Escolha um protetor solar com filtro adequado ao seu tom de pele (quanto mais clara sua pele, maior deve ser o n° do filtro solar), utilizando de preferência produtos que contenham filtros químicos e físicos, que proporcionam maior proteção. Existem inúmeros produtos no mercado que são excelentes para uso diário ou em situações de lazer. Qualquer que seja sua opção, tenha sempre à mão um bom filtro solar, adequado ao seu tom de pele e evite expor-se ao sol nos horários mais quentes, entre 10 horas da manhã e 3 horas da tarde.

Com esses cuidados, seu verão vai ser muito mais tranquilo.

Por Dra. Denise Steiner

veja também