Candidíase é queixa de 60% das mulheres em pronto-socorro de SP

Candidíase é queixa de 60% das mulheres em pronto-socorro de SP

Atualizado: Terça-feira, 6 Abril de 2010 as 12

Irritação, coceira e corrimento esbranquiçado pode ser sinal de Candidíase. Estes sintomas são queixa de 60% das cerca de 2 mil mulheres que dão entrada mensalmente no Pronto-Socorro do Hospital Pérola Byington (Centro de Referência em Saúde da Mulher), da Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo.

Entre 85% a 90% dos casos o agente causador é a Candida albicans, fungo presente na flora vaginal que pode proliferar em algumas situações como a alteração do pH vaginal, gestação, uso prolongado de antibióticos ou doenças crônicas que alteram imunidade, provocando os sintomas descritos.

"A candidíase recorrente pode ser sinal de doença crônica - como diabetes, lúpus e Aids, com mau controle clínico, e devem ser investigadas", afirma a médica do pronto atendimento ginecológico do Hospital Pérola Byington, Priscila Giacon.

O diagnóstico pode ser realizado durante exame ginecológico, observando-se o corrimento e ouvindo as queixas referidas pela paciente. "A principal reclamação é de coceira vaginal, mas algumas vezes a paciente apresenta até dor para urinar devido a arranhões e inflamação local", complementa Priscila.

O tratamento baseia-se na administração de comprimido oral ou creme vaginal, associando-os em alguns casos. E cuidados com a higiene local (utilizar calcinhas de algodão, evitar uso de roupas justas e uso de cremes ou sabonetes que não sejam específicos), são importantes para evitar novos episódios da doença.

"Candidíase não é doença sexualmente transmissível, portanto não é necessário tratar o parceiro, que deve ser examinado por urologista se tiver sintomas", alerta Priscila.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também