Caso de pedra nos rins atinge mais homens do que mulheres

Pedras nos rins tende a crescer no verão. Saiba mais

Atualizado: Segunda-feira, 18 Fevereiro de 2013 as 11:37

 

Cálculo renal ou pedra nos rins, são formações endurecidas nos rins ou nas vias urinárias, resultantes do acúmulo de cristais existentes na urina. Em muitos casos, as pessoas que possuem pedra nos rins, sentem muita dor, que começa nas costas e se estende para o abdômen em direção à região inguinal.
 
Segundo um levantamento do Centro de Referência da Saúde do Homem, unidade da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, o problema tende a crescer durante os meses de janeiro e março, temporada de verão, onde as pessoas transpiram mais e ingerem menos líquido do que o necessário para o corpo. Foi constatado que o número de internações chega à 30%.
 
Devido a época de férias, os cuidados com a alimentação costumam ser deixados de lado e a ingestão de alimentos industrializados e de petiscos como amendoim, castanha do Pará, calabresa e camarão, facilitam a formação das pedras.
 
O médico chefe do ambulatório de litíase (cálculo) renal, Fábio Vicentini, explica que estas refeições são ricas em sódio e cálcio e devem ser consumidas com moderação, principalmente por indivíduos propensos a doença, que atinge duas vezes mais os homens do que as mulheres.
Já frutos do mar, contêm altas doses de ácido úrico, um dos responsáveis pelo desenvolvimento dos cálculos renais.
 
Para combater o propblema, recomenda-se ingerir bastante água – em torno de dois litros por dia –, e outros líquidos como os sucos naturais de melão, laranja e limão. Estas frutas contém citrato, substância que contribui para o bom funcionamento renal.
 
É importante lembrar que o sal (cloreto de sódio) continua sendo o maior vilão dos rins. Use o mínimo possível do tempero no preparo dos alimentos e, sempre que possível, dê preferência as ervas naturais – salsinha, cebolinha, limão e orégano, por exemplo – que adicionam sabor e aroma as refeições. Os especialistas ainda alertam que o famoso chá de quebra-pedra não faz milagres.
 

 
“O que ajuda a dissolver e eliminar a pedra é a água do chá e não suas folhas. É importante tomar cuidado ao preparar estas bebidas, pois as ervas podem causar intoxicação se utilizadas em excesso”, ressalta o urologista Cláudio Murta, coordenador do hospital.
 
Em torno de 15% da população apresenta cálculos renais. Em 85% dos casos as pedras são pequenas e expelidas naturalmente, pela urina. O restante dos pacientes apresenta dores fortes e infecções e necessita de tratamento medicamentoso ou de intervenção cirúrgica. A chance de reincidência da doença também é grande – metade dos doentes volta a ter e alguns sofrem ainda pela terceira vez.
 
“Por isto é extremamente importante que os pacientes que tiveram cálculo renal procurem o médico para fazer o acompanhamento e evitar novas crises”, finaliza Vicentini. 
 
 
Com informações de: Assessoria de Imprensa da Secretária de Estado da Saúde de São Paulo

veja também