Cirurgia para diabetes tipo 2 é indicada para não-obesos

Cirurgia para diabetes tipo 2 é indicada para não-obesos

Atualizado: Terça-feira, 12 Fevereiro de 2008 as 12

A cirurgia para o tratamento do diabetes tipo 2 que está sendo testada no Brasil é uma nova esperança no combate à doença. E os resultados estão se mostrando promissores. Entretanto, os especialistas alertam que o procedimento é indicado somente para os pacientes que não respondem satisfatoriamente aos tratamentos convencionais, que representam cerca de 60% dos doentes.

A Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) informa que o diabetes do tipo 2 tem uma grande relação com a obesidade e o sedentarismo. Estima-se que entre 60% e 90% dos portadores da doença sejam obesos. A incidência é maior após os 40 anos.

Dos 45 pacientes operados pela equipe do Dr. Ricardo Cohen, cirurgião especializado em obesidade, no Hospital e Maternidade São Camilo Pompéia, 85% deixaram de utilizar medicamentos ou estão tomando apenas dois comprimidos por dia. Normalmente, um paciente de diabetes tipo 2, considerado grave, chega a tomar vários remédios por dia e até mesmo insulina. "E, na maioria das vezes, o resultado com os medicamentos era insatisfatório. Daí a indicação para a cirurgia", afirma Cohen.

O Dr. Cohen e sua equipe fazem parte de um estudo desse tipo de técnica cirúrgica no Brasil. O método desenvolvido pelo especialista é chamado de exclusão duodenal. Ele se caracteriza pelo isolamento do duodeno (primeira porção do intestino) do processo digestivo, ou seja, os alimentos não entram em contato com esta parte do intestino que envia imediatamente uma mensagem para o pâncreas estimulando a secreção da insulina e melhorando o diabetes.

O médico realiza o estudo desde 2005 e desenvolve a técnica somente em pacientes não-obesos, ou seja, com índice de Massa Corpórea (IMC) entre 22 e 24. "Temos um resultado de mortalidade zero, dentre os 45 operados. E, destes, apenas 11% tiveram complicações leves, consideradas razoáveis em cirurgias digestivas", informa o cirurgião.

Apesar do bom resultado, o Dr. Cohen é enfático ao dizer que ainda trata-se de um estudo. "Só com o tempo e acompanhamento destes pacientes operados com pelo menos um ano é que poderemos dizer que o tratamento cirúrgico contra o diabetes tipo 2 é realmente eficaz", alerta o médico.

A equipe do Dr. Cohen, formada também pelo cirurgião Dr. Carlos Aurélio Schiavon, também médico especializado em obesidade do São Camilo, realiza este estudo por meio de protocolos experimentais aprovados no Comitê de Ética em Pesquisa. Os protocolos experimentais serão desenvolvidos pelo Dr. Cohen também no Chile, Colômbia, Venezuela e Estados Unidos.

veja também