Coluna Dr. Pedro Xavier - Alimentação saudável e atividade física ajudam...

Coluna Dr. Pedro Xavier - Alimentação saudável e atividade física ajudam...

Atualizado: Terça-feira, 12 Fevereiro de 2008 as 12

 

A degeneração macular da retina pode causar a perda da visão central em 20% das pessoas com mais de 50 anos. A doença inviabiliza atividades simples como ler e dirigir.

 

Alimentação saudável e atividade física estão no cardápio da prevenção de muitos males comuns na terceira idade, como as doenças reumáticas, cardíacas e circulatórias. Estes mesmos cuidados também podem fazer a diferença quando o assunto é a boa visão.

Vida sedentária, má alimentação e fumo são fatores que podem levar a uma doença grave chamada DMRI, degeneração macular relacionada à idade, que atinge 20% das pessoas com mais de 50 anos. A Degeneração Macular é uma alteração que ocorre no centro da retina, chamada mácula, e que é responsável pela visão de detalhes.

Ficamos tão fascinados com os avanços da tecnologia que acabamos esquecendo de colocar o nosso corpo, que é a máquina mais perfeita e preciosa que existe, para funcionar.

Pouca gente sabe, mas a prática de exercícios físicos e uma dieta pobre em gorduras saturadas são medidas fundamentais para quem quer chegar à melhor idade enxergando bem e sendo capaz de desfrutar de todas as maravilhas da tecnologia, como navegar na Internet ou dirigir um carro de último tipo.

O envelhecimento natural da retina pode ser desencadeado precocemente pelo consumo excessivo de gorduras polissaturadas, presentes nas frituras; e de gorduras trans, comuns em alimentos industrializados como bolachas, biscoitos e congelados.

Agravada pela hipertensão arterial, diabetes e hereditariedade, a DMRI se manifesta através de um leve embaçamento na visão central e o paciente começa a ver as linhas retas ficarem tortas. A doença leva à perda da visão central, que é responsável por 90% da visão, ou seja, o paciente passa a ver somente com a retina periférica. Não vê as feições das pessoas, não lê e nem dirige.

O diagnóstico precoce é importante porque podemos alterar os hábitos alimentares e sedentários do paciente, assim como controlar o fundo de olho por meio de exames de retinografia e tomografia de coerência óptica.  A reeducação alimentar na prevenção da DMRI inclui a ingestão de alimentos como frutas, verduras, carnes magras e azeites virgens, que proporcionam melhor funcionamento das células e menor formação do "lixo" celular, os radicais livres, que são os causadores da degeneração das células.

O metabolismo das células da retina é muito intenso e complexo, pois produz a visão. A ingestão de alimentos com alto teor de vitamina A, B e C é de extrema valia, assim como aminoácidos como luteína e riboflavina. Frutas, cenoura e brócolis são ricos nestas substâncias. O uso de anti-oxidantes e vitaminas também fazem parte do tratamento preventivo.

Embora seja mais comum na terceira idade, a DMRI também pode acometer pacientes jovens. Se as medidas preventivas foram ignoradas e a visão apresentar sinais de degeneração da retina, como embaçamento, o melhor caminho é procurar um retinólogo de confiança o mais rápido possível.

Quando já existe a doença, o tratamento é feito por aplicação de laser frio, também chamado de Terapia Fotodinâmica com Visudyne, e com injeções intraoculares de substâncias que inibem a progressão da lesão, como o Anti-VEGF e a triancinolona. Nos casos muito graves, pode-se tentar a remoção ou a mudança da posição da lesão (translocação macular), através de cirurgia.

Por ser uma doença comum no primeiro mundo, grandes investimentos têm sido feitos no desenvolvimento do tratamento. A terapia fotodinâmica e as drogas inibidoras da neovascularização são alguns dos avanços tecnológicos no tratamento da DMRI. A cura total ainda não existe, porém, é possível amenizar a doença ou atrasar o seu desenvolvimento.

Pedro Xavier é médico, oftalmologista do corpo clínico do Hospital de Olhos de São Paulo e fellow do Hospital das Clínicas.

veja também