Combate à meningite é prioridade no Rio de Janeiro

Combate à meningite é prioridade no Rio de Janeiro

Atualizado: Quinta-feira, 12 Junho de 2008 as 12

O aumento de casos de meningite, inflamação das membranas que cobrem o cérebro e a medula espinhal, é comum durante o inverno. Nos últimos anos, o estado do Rio de Janeiro registrou uma diminuição do número de vítimas da meningite meningocócica, o tipo mais grave da doença.

Segundo o superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde e Defesa Civil, Victor Berbara, a população fluminense pode ficar despreocupada. O combate à meningite é uma das prioridades do governo do estado. "Existe um controle, uma vigilância no sentido de evitar que surjam epidemias da doença. Tivemos um surto de meningite em Armação de Búzios. Os casos foram detectados logo no inicio. Para evitar uma epidemia aplicamos vacinas no município. A meningite meningocócica existe em todo o mundo e não é evitável. Sempre haverá casos da doença, que deve ser notificada em 24 horas", explica.

Causada por vírus, bactérias ou fungos, a meningite é transmitida através de secreções da garganta e por via respiratória. Ambientes fechados com aglomerações são locais propícios para se adquirir a doença. Mas, o contágio só acontece quando há convívio diário com uma pessoa infectada. "Em geral, as meningites virais têm um desenvolvimento mais benigno, uma letalidade mais baixa. Normalmente, as vitimas desse tipo da doença necessitam de exames e internação. As outras formas de meningites são mais graves e necessitam de internação e tratamento com antibiótico, no caso das bactérias, e anti-fúngicos, no caso dos fungos", afirma o infectologista.

Febre alta, vômito, dor de cabeça acentuada, mal estar, perda do apetite, prostração e rigidez na nuca são alguns dos sintomas da doença. Em muitos casos, a meningite pode deixar seqüelas neurológicas como paralisia e dificuldades motoras. "Com exceção da meningite viral, as outras formas da doença são graves e podem levar à morte quando não são convenientemente tratadas ou são diagnosticadas de uma forma tardia. Em geral, as meningites evoluem bem se diagnosticadas a tempo e tratadas corretamente. O diagnóstico da doença é feito através de exames de sangue e de licor, um líquido existente no sistema nervoso que fornece a análise etiológica da meningite",  diz Berbara.

Para evitar a contaminação é preciso manter limpo e arejado ambientes fechados, além de lavar diariamente utensílios domésticos. A meningite meningocócica dos tipos A e C pode ser prevenida através de vacinas. As imunizações só são feitas quando há casos de ameaça de surtos. No início do ano, a Secretaria de Saúde e Defesa Civil recebeu do Ministério da Saúde cerca de 21.400 doses da vacina contra a doença.

As imunizações que protegem contra meningites fazem parte do calendário oficial de vacinação. As meningites causadas por hemophilus e pneumococo podem ser prevenidas por vacinas aplicadas durante o primeiro ano de idade.

Postado por: Claudia Moraes

veja também