Criar vida artificial é mais difícil que pensava, diz "pai" do genoma

Criar vida artificial é mais difícil que pensava, diz "pai" do genoma

Atualizado: Quinta-feira, 29 Outubro de 2009 as 12

O cientista americano John Craig Venter, considerado o pai do estudo do genoma (conjunto de genes de uma espécie) do homem, reconheceu que seu projeto de criar vida a partir de um cromossomo artificial é mais difícil que pensava. Venter fez essas declarações em entrevista ao jornal austríaco Der Standard. 

''O projeto de introduzir um cromossomo artificial em uma célula e despertá-lo para a vida é mais difícil que pensei. Mas superamos todos os obstáculos e, por isso, sigo sendo otimista''.

Cromossomos são sequências de DNA, um composto orgânico presente em todas as células dos seres vivos. O DNA é primordial para que os seres vivos cresçam, sobrevivam e se reproduzam.

Um grupo de cientistas do Instituto John Craig Venter conseguiu criar o primeiro cromossomo sintético, o que é considerado um avanço rumo à criação de microorganismos capazes, por exemplo, de produzir biocombustíveis e de ajudar a limpar o meio ambiente.

Os cientistas transplantaram esse cromossomo em uma célula bacteriana à espera de alcançar o controle do organismo, algo que ainda não ocorreu, segundo Venter. Um dos problemas é que o pequeno código genético do cromossomo sintético evolui muito lentamente e, por isso, Venter já está trabalhando em ''um genoma muito maior''.

O cientista também rejeitou as críticas de que esteja brincando de ser Deus e disse que se trata de uma ''acusação falsa''.

''Não vamos criar vida a partir do zero. Pegamos o material da vida, os pares de bases do DNA, e só colocamos estas peças em uma nova ordem''.

Venter ressaltou ainda a importância de trabalhar neste campo ''para criar organismos que solucionem os problemas mais urgentes do mundo''.

''Experimentamos sempre com genomas, embora fosse de forma cega. (...) A população mundial aumentará nas próximas quatro décadas provavelmente para 9 bilhões de pessoas. E deverão ser alimentados, precisarão de casas e energia''.

A empresa do cientista, a Synthetic Genomics, está trabalhando com a multinacional petrolífera Exxon para criar algas que sejam capazes de produzir em menos de dez anos ''bilhões de litros de combustível''. Mas a questão para Venter é se o preço deste biocombustível será vantajoso se comparado com o do petróleo.

veja também