Cuidado com as pintas

Cuidado com as pintas

Atualizado: Sexta-feira, 17 Fevereiro de 2012 as 2:30

Boa parte das mulheres com pintas se tornam mais charmosas justamente por conta dessa característica. Elas são marcantes. Quem não se lembra das famosas pintas de Marilyn Monroe e Angélica? Mas por trás dessas pintas pode estar escondido algum perigo à saúde. É necessário ficar atento à questão.

A identificação das pintas pode ser feita pela própria mulher. Basta observar: as benignas, geralmente, são planas ou semelhantes a uma verruga, tem uma só cor, limites e formas definidas, e um tamanho menor que cinco milímetros. Se for percebida alguma alteração, é importante passar por uma consulta médica. “Na consulta, será avaliada a necessidade de fazer uma biópsia para saber se a pinta representa algum problema à saúde”, afirma Luciana Macedo de Oliveira, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia.  

Em casa, na frente do espelho, faça uma espécie de autoexame. Primeiro veja se a pinta está muito assimétrica; em seguida toque para sentir se as bordas estão irregulares e denteadas; para finalizar observe se apresentam cores castanha, vermelha e preta na mesma mancha. “Mesmo tendo essas características, não significa que seja um melanoma, mas sim apenas um sinal de atenção para procurar um especialista”, alerta o Dr. Alexandre.  

Para evitar o aparecimento de problemas de saúde, especialistas aconselham monitorar as pintas pelo menos duas vezes ao ano para que seja acompanhada uma possível evolução. O descuido pode resultar no aparecimento do melanoma. 

Uma medida simples e eficiente é passar protetor solar com fator de proteção acima de 30 diretamente nas “pintinhas”. Para isso, é preciso manter um ritual: 20 minutos antes de tomar sol passe o produto e reaplique a cada duas horas sobre a área. “Além dos fotoprotetores, o uso de chapéus, bonés e roupas com filtros solares são ótimos recursos”, indica a Dra. Luciana.  

As cirurgias de remoção das pintas devem ser realizadas somente em casos específicos, como explica o Dr. Alexandre Okubo, dermatologista e membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). “É indicado para indivíduos com histórico familiar de melanoma, com pintas em plantas de pés ou nas palmas das mãos.” Além disso, o procedimento pode ser feito por motivos estéticos. 

 

 

 

Com informações de Terra

veja também