Cura do câncer pode vir da natureza

Cura do câncer pode vir da natureza

Atualizado: Terça-feira, 9 Fevereiro de 2010 as 12

O avelós pode ser a peça chave para a fabricação do primeiro medicamento brasileiro contra o câncer. As pesquisas sobre o poder de cura dos avelós estão adiantadas e o medicamento deve começar a ser comercializado em 2011

A busca pela cura do câncer ganha um grande aliado. Ele vem da natureza e se chama avelós (Euphorbia tirucalli). Com propriedades antitumorais, os benefícios que a planta oferece já eram de conhecimento popular há muito tempo. Mas só agora começa a ganhar respaldo científico. De origem africana, mas encontrada facilmente no norte e nordeste do País, é a partir da seiva do avelós que são produzidas algumas populares garrafadas. E foi através desse medicamento caseiro que o avelós chamou a atenção de pesquisadores brasileiros para o tratamento do câncer.

O interesse partiu do empresário cearense Everardo Ferreira Telles, do grupo Ypioca. Ele observou a melhora de um parente após tomar a famosa garrafada e resolveu financiar uma pesquisa sobre avelós. Aprovado pelo Ministério da Saúde para testes, o avelós está na segunda fase da pesquisa. Segundo o farmacêutico e coordenador da pesquisa, Luis Pianowski, os estudos pré-clinicos já foram finalizados para determinar qual a dosagem máxima que os pacientes podem receber. "O avelós é uma planta muito tóxica. A pesquisa existe há seis anos e conseguimos chegar a uma dose ideal", comemora. A esperança de cura poderá vir de uma planta considerada tóxica no sertão. Mas é preciso ter cautela.

Tóxico

A parte usada da planta é o látex, que quando puro irrita a pele e os olhos. O grau de toxicidade da planta é tão alto, que quando em contato com os olhos pode cegar ou provocar hemorragias. Pianowski alerta para o perigo de consumir as populares garrafadas de avelós. "Estamos tratando de uma substância que se não for realizada a dosagem correta pode provocar até a morte", pontua.

Entretanto, quando dissolvido em água, o látex do avelós é indicado para o tratamento de tumores cancerosos e pré-cancerosos. Isso porque o princípio ativo do avelós age supostamente inibindo enzimas relacionadas à multiplicação dos tumores e tem potencial anti-inflamatório e analgésico.

Atualmente, a segunda fase da pesquisa está em processo de conclusão. Cerca de 40 pessoas participam da pesquisa. "Nós prendemos focar a pesquisa em determinado tipo de câncer. Vamos começar com o câncer de mama, mas pretendemos expandir para o tratamento de tumores na próstata também", antecipa. A previsão é que até 2011 o medicamento seja comercializado. (Viviane Gonçalves)

veja também