Despesa de famílias com saúde é de 49,8%, diz IBGE

Despesa de famílias com saúde é de 49,8%, diz IBGE

Atualizado: Quinta-feira, 10 Dezembro de 2009 as 12

Os medicamentos consumidos em casa pelos brasileiros são financiados, principalmente, pelas famílias. Enquanto elas são responsáveis por aproximadamente 90% desse tipo de gasto, o governo responde com programas de distribuição de remédios à população apenas pelos 10% restantes.

De acordo com a pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública, ligada à Fiocruz (Fundação Osvaldo Cruz), Maria Angélica Borges, que também participou da realização do levantamento, houve aumento dos gastos públicos nessa área entre 2005 e 2007, mas a participação da administração pública no total das despesas ficou praticamente estável no período.

- A participação do governo nesse consumo esteve estável, embora as despesas com medicamento para distribuição pelo setor público tenham aumentado de R$ 3,8 bilhões para R$ 4,7 bilhões entre os dois anos?.

Os dados da Conta Satélite Saúde Brasil, divulgados nesta quarta-feira (9) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), revelam ainda que, quando se observam os gastos totais com as atividades ligadas à saúde no país, não apenas as direcionadas à compra de medicamentos, o setor público brasileiro ampliou sua participação de cerca de 40% para 48,6% entre 2005 e 2007. Ainda assim, cabe às famílias a maior fatia das despesas com consumo final (49,8%).

Maria Angélica Borges explicou que, apesar do crescimento, o Brasil continua bem atrás do padrão verificado em países europeus.

- Em média, os governos europeus cobrem uma parte maior dos gastos com saúde do que as famílias. Nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, a administração pública responde, em média, por 70% dessas despesas. O Brasil tem um padrão diferente, comparável ao México, por exemplo, onde o gasto proporcional das famílias é maior do que o dos governos.

veja também