Diabete pode ser causada por má qualidade do sono

Diabete pode ser causada por má qualidade do sono

Atualizado: Domingo, 3 Fevereiro de 2008 as 12

Estudo americano publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, sugere que noites mal-dormidas podem aumentar o risco de desenvolver diabetes.

A equipe de pesquisadores da Universidade de Chicago descobriu que voluntários que despertavam sempre que estavam prestes a cair em sono profundo, desenvolveram resistência a insulina.

Para testar o impacto da qualidade do sono no controle do nível de glicose no sangue, nove homens e mulheres saudáveis foram monitorados por duas noites consecutivas para verificar seu padrão de sono normal. Depois disso, nas três noites seguintes, a equipe de pesquisadores os acordava com um ruído alto quando eles estavam para entrar em sono profundo. A quantidade total de sono que eles tinham a cada noite, porém, se mantinha a mesma.

Após injetarem glicose nos voluntários e medirem seus níveis de açúcar no sangue e a reação da insulina, os pesquisadores descobriram que oito deles haviam se tornado menos sensíveis à insulina, ou seja, em apenas três dias, a habilidade do corpo de regular o açúcar caiu 25%. "A incapacidade do corpo em reconhecer sinais normais de insulina pode levar a um aumento no nível de açúcar no sangue, ganho de peso e, eventualmente, diabetes do tipo 2" alerta José Knoplich, consultor da Probel e doutor em Saúde Pública pela USP. Ele afirma ainda que outras pesquisas já haviam associado a diabetes à falta de sono, mas que esta é a primeira vez que a relação é feita sobre a qualidade do sono.

Segundo a coordenadora da pesquisa, Esra Tasali, há um aumento alarmante na ocorrência da diabetes do tipo 2 em conseqüência do envelhecimento da população e do aumento da obesidade, e por isso é importante entender os fatores que promovem seu aparecimento. "Nesse experimento, provocamos o sono de pessoas com 60 anos em jovens com 20 a 30 anos", explica Tasali. "Essa queda no estágio de ondas lentas imita as mudanças nos padrões de sono observadas em pessoas a partir dos 40 anos." A redução da quantidade de minutos de sono profundo é uma característica do envelhecimento e de desordens normalmente ligadas à obesidade, como a apnéia obstrutiva. Em jovens, tal estágio dura de 80 a 100 minutos; em pessoas com 60 anos, ele toma menos de 20 minutos.

"Os dados da pesquisa mostram uma necessidade de melhorar a qualidade e a quantidade de sono para prevenir ou retardar o desenvolvimento da diabetes do tipo 2 em grupos de risco, além de evitar outras várias doenças associadas a má qualidade do sono", afirma Knoplich.

Tasali acrescentou ainda que o sono leve e a diabetes são fatores tipicamente associados ao envelhecimento e disse que mais pesquisas são necessárias para verificar se mudanças na qualidade do sono relacionadas à idade contribuem para essas mudanças metabólicas.

Postado por: Claudia Moraes

veja também