Diabetes na infância:um desafio para a equipe de saúde a para a família

Diabetes na infância:um desafio para a equipe de saúde a para a família

Atualizado: Terça-feira, 26 Fevereiro de 2008 as 12

Geralmente, não há antecedentes familiares e são casos isolados da doença em uma família. A criança passa a beber muita água e líquidos em geral, urinar muito e perder peso. Isso chama a atenção para algo errado em progressão. "O aparecimento destes sintomas, quase, sempre, coincide ou sucede um quadro infeccioso que pode mascarar o processo e dificultar o diagnóstico. Quando isso ocorre, a criança pode evoluir rapidamente para a desidratação e o coma", alerta a endocrinologista Ellen Simone Paiva, diretora do Centro Integrado de Terapia Nutricional, Citen, mestre em Nutrição e Diabetes pela USP.

O diabetes na infância, antigamente chamado diabetes juvenil, geralmente é do tipo I ou insulino-dependente. A doença se instala a partir de uma lesão auto-imune do pâncreas, que reduz drasticamente a produção de insulina, tornando a criança dependente da aplicação de insulina para viver. "Há um grande reboliço na família. Muita coisa deverá mudar e a família deverá participar desta mudança. Não há como se omitir. As limitações deverão valer para todos, com restrições nutricionais e horários mais rigorosos", afirma a médica. A vida continua, mas com aplicações de insulina, medições de glicemia e maior controle nutricional.

Informação faz parte do tratamento

"Por incrível que pareça, a criança bem orientada aceita melhor a doença do que um paciente com 50 anos que se torna diabético. Para esses últimos, as limitações são mais dolorosas e sua resistência à aceitação do problema é muito maior", defende Ellen Paiva. A criança pode não gostar de tomar banho, mas toma; pode reclamar de escovar os dentes, mas escova; pode se chatear com a nova rotina de aplicação de insulina, mas se submete a ela, pois tem mais tolerância e maior flexibilidade às mudanças de hábitos.

Mas para isto, os pais devem se mostrar tranqüilos e equilibrados diante do problema e não devem ceder aos apelos do pequeno paciente, que no início do tratamento, poderá resistir e até "usar de todos os seus poderes" para evitar a rotina de insulina e medições de glicemia. "Se os pais demonstrarem sentir pena da criança, ela começa a se sentir vítima, e terá mais dificuldades para enfrentar o diabetes e a rotina do tratamento. Portanto, após a notícia, logo, o tumulto familiar tende a passar e dará lugar a atitudes de normalidade diante da vida e da doença", explica a endocrinologista.

Uma nova dieta

A dieta da criança com diabetes deve atender às suas necessidades nutricionais e de crescimento, assim como a das demais crianças. "Ela deve ser encorajada a fazer três refeições bem definidas variadas e saborosas ? café da manhã, almoço e jantar ? e três lanches ? no meio da manhã, tarde e antes de dormir. A família deve seguir essa orientação, juntamente com a criança, pois a recomendação vale para todos. Não é aceitável o fato de um irmão poder beliscar fora desses horários e o paciente com diabetes ter que encarar horários rígidos", defende a diretora do Citen.

Apoio e disciplina

A criança diabética, mais do que as demais, deverá comer nos horários certos e em quantidades mais ou menos definidas, consumindo alimentos variados, permitindo a troca de alimentos com equivalência calórica e nutricional. "Um exemplo disso é a possibilidade de trocar o tipo de pão do café da manhã, mas jamais comer dois pães em um dia e nenhum pão em outro, pois com uma mesma dosagem de insulina, no primeiro exemplo, a criança sofrerá elevação na glicemia e, no segundo, grande chance de ter hipoglicemia", alerta Ellen Paiva.

Outra opção muito bem vinda à criança com diabetes é o uso das bombas de infusão de insulina. "São pequenos dispositivos que realizam a infusão contínua de um análogo de ação rápida da insulina, com doses maiores sendo programadas para cobrir as refeições, de acordo com a contagem dos carboidratos ingeridos naquela refeição. Esses aparelhos evitam as múltiplas picadas de insulina e também permitem maior flexibilidade na dieta desses pacientes", defende a médica.

Faz parte do tratamento da criança com diabetes a prática de atividade física regular. No dia da ginástica, a criança é orientada a se alimentar com um pequeno lanche, além de sua dieta convencional. "Caso o paciente consiga aderir ao exercício físico, sua dosagem de insulina será bem menor e seu controle glicêmico muito mais provável de ser alcançado", diz a especialista.

O controle glicêmico ideal é a principal meta no tratamento do diabetes no adulto e, mais ainda, na criança, uma vez que ela estará exposta aos riscos das complicações crônicas durante muito mais tempo que os adultos. "Para aferir esse controle, nossa maior arma são as glicemias diárias realizadas através dos múltiplos glicosímetros disponíveis no mercado e a dosagem laboratorial da hemoglobina glicosilada no sangue", explica Ellen Paiva. Através desses exames, a criança poderá ser monitorizada desde o início do tratamento e poderá viver livre das complicações crônicas, que tanto podem comprometer a qualidade de vida no futuro.

veja também