Dieta do tipo sanguíneo auxilia na prevenção e tratamento do câncer

Dieta do tipo sanguíneo auxilia na prevenção e tratamento do câncer

Atualizado: Terça-feira, 4 Janeiro de 2011 as 11:43

Sabendo o que é melhor para o seu organismo é possível retardar o câncer ou adiá-lo a vida toda. Isso mesmo.

Preste muita atenção ao seu tipo sanguíneo, pois ele tem informações precisas que lhe permita fazer escolhas sobre os alimentos que deverá ingerir diariamente. Eles são capazes de provocar um profundo efeito na saúde e na qualidade de sua vida. Para os cientistas e pesquisadores que estudam a ligação entre câncer e grupos sanguíneos, não há dúvida que a doença encontra um campo inerentemente mais fértil para surgir e se desenvolver em organismos de determinados tipos de sangue. As evidências vão ainda mais longe: pessoas com o Tipo “A”e “AB”, além de serem mais propensas ao surgimento da doença, apresentam, igualmente, menos chances de sobrevivência em relação às de Tipo “O”e “B”, que apresentam geneticamente, inclusive, menos incidência à patologia.

Ter o tipo de sangue “A” ou “AB” não quer dizer que seja certo, ou até mesmo provável, que se esteja predestinado ao câncer, da mesma forma que ser do Tipo “O” ou “B” não significa que se possa estar imune. Segundo a Dra Emília Pinheiro, terapeuta ortomolecular da Clínica Spasso Urbano, no Paraná, e especialista na Dieta do tipo sanguíneo, existem, ainda, muitas causas desconhecidas para este mal, além dos fatores genéticos, radiações e agentes carcinogênicos diversos, independentes do grupo sanguíneo a que você pertença.

Ela explica que a verdadeira conexão entre os tipos sanguíneos e o câncer reside nos índices de cura e não nos de ocorrência entre os diversos grupos (O, A, B e AB). “Essa vinculação pode ser devida ao fator de aglutinação das lectinas consideradas “nocivas”, que atuam no organismo, semelhantes a uma supercola perigosa, presente em qualquer alimento que interaja contra o seu tipo de sangue, responsáveis pelas doenças, inclusive o câncer”, diz.

De acordo com a especialista e também autora do livro Dieta Pelo Tipo Metabólico e Sanguíneo, o importante para uma pessoa que já adquiriu a doença, é identificar o seu tipo sanguíneo e melhorar a nutrição, durante o tratamento, ingerindo apenas alimentos cujas lectinas alimentares sejam consideradas benéficas ou neutras ao seu grupo específico. “Essas lectinas adequadas constituem poderosas ferramentas que aumentam as possibilidades de recuperação através de uma melhoria na atividade das células matadoras naturais. A Dieta do Tipo Sanguíneo pode ajudar ainda, a manter a contagem dos leucócitos, durante o procedimento quimioterápico” relata.

A dieta adequada à genética individual atua frontalmente na prevenção do câncer e no fortalecimento do sistema imunológico, se traduzindo numa maior esperança para o futuro de todos nós. “Conhecendo-se a propensão genética do organismo à doença e, entendendo-se o funcionamento do seu tipo de sangue, aumenta-se às chances de defesa das células, frente aos tão temidos radicais livres, geradores de todo o tipo de disfunções orgânicas. Há vários anos, abordo a prevenção das doenças através deste sistema de reparo do organismo, conscientizando sobre os níveis de exposição espontânea aos elementos cancerígenos ambientais e alimentares de todos os tipos. Essa abordagem sugere modificações bastante simples, porém eficazes, na rotina individual, para que se possa minimizar os efeitos da tão temida deterioração celular”, explica a terapeuta.

Ela conta que o método tenta evitar que o câncer se instale, fazendo conhecer a cada um, a química genética do seu organismo, de acordo com o tipo de sangue. Identifica as suscetibilidades às doenças, os alimentos que se devem comer e os que devem ser evitados; os exercícios físicos adequados, a forma individual de reagir e ultrapassar o estresse e os meios de se evitar”, desde um simples resfriado, aos mais graves problemas de saúde.

As evidências sobre a eficácia da Dieta do Tipo Sanguíneo têm impressionado bastante quem busca uma solução alternativa aos métodos convencionais de tratamento a um grande número de enfermidades, incluindo o câncer.

Normalmente, as pessoas procuram clínicas especializadas na Dieta com a terapia convencional já iniciada e se surpreendem com o desaparecimento dos incômodos efeitos colaterais da química, relatando mais energia e menos complicações, entre outros. “É claro que não se fala de soluções mágicas, mas, em coadjuvantes à terapia química convencional, um agente a mais para ajudar na possível remissão do câncer”, conclui.

veja também