Divórcio pode trazer como consequência a síndrome da alienação parental

Divórcio pode trazer como consequência a síndrome da alienação parental

Atualizado: Terça-feira, 25 Agosto de 2009 as 12

O término de uma vida conjugal é uma situação traumática para pais e filhos e que, normalmente, não acaba após a assinatura do divórcio. Sentimentos de rejeição, traição e abandono despertam muitas vezes, os anseios de vingança incontrolável e também de possessão dos filhos pelo cônjuge que ficará abandonado.

Para o psiquiatra americano Richard Gardner, o fato de fazer campanha para que a criança odeie o genitor sem qualquer justificativa, isto é, o filho usado como instrumento da agressividade, é o que se chama de "Síndrome de alienação parental". "Os casos de incidência maior são praticados pela mãe, por deter, na maioria das vezes, a guarda do filho", relata a advogada e especialista em Direito da Família e da Mulher, Maria Alice de Azevedo Marques.

A advogada explica que esta alienação se dá aos poucos, pois a mãe monitora o tempo do filho com o pai e também os seus sentimentos para com ele. A partir do momento que a mãe vê o empenho paternal em preservar a convivência com o filho, ela quer se vingar. Para isso, realiza uma manipulação sobre a criança contra o pai, fazendo com que a figura paterna fique atrelada à imagem de um invasor, um intruso.

O resultado dessa manipulação é triste. Nesse caso, a criança passa a detestar o pai e, por consequência, se nega a cumprir as visitas, que deixam de ser prazerosas em nome do amor e da convivência recíproca, que se tornam uma tortura. Como nem sempre a criança entende esta manipulação, ela acaba acreditando nas informações que lhe foram ditas, como verdadeiras.

Para o judiciário, casos de alienação paternal é um dilema difícil. Os juízes são cautelosos e contam com ajuda de especialistas para definir qual a melhor decisão a ser tomada. Dependendo de cada caso, o juiz pode pedir uma terapia familiar, regularizar o pedido de visitas, condenar o genitor que provocou a síndrome a um pagamento de multa diário, alterar a guarda do menor ou até mesmo pedir a sua prisão.

"Além de jogar o filho contra o pai, esta também é uma forma de abuso que põe em risco a saúde emocional de uma criança. Na fase adulta, pode gerar um sentimento de culpa ao descobrir que foi cúmplice de uma grande injustiça", finaliza Maria Alice.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também