Documentário resgata a história do tratamento de lepra no Brasil

Documentário resgata a história do tratamento de lepra no Brasil

Atualizado: Quinta-feira, 4 Junho de 2009 as 12

Desconhecer a Hanseníase (Lepra), ser diagnosticado com ela e, imediatamente, ser obrigado a se transferir para um asilo, sem previsão de retorno e deixar família e amigos para trás. Este é o assunto principal do documentário "A Última Morada – A História do Asilo-Colônia Aimorés", produzido pelos jornalistas Adnam Nunes, Caio Xavier, Eduardo Zolin, Felipe A. de Paula, Renê de Castro, Rodrigo Foganholi e Tales Jaloretto, ex-alunos da Universidade de São Caetano do Sul (USCS).

O filme retrata a vida de quatro ex-internos do asilo-colônia Aimorés, localizado em Bauru, interior de São Paulo, e que ainda sustenta prédios construídos na década de 1930. Entre histórias comoventes e marcas do passado, especialistas debatem e explicam o cenário da época com muita propriedade e dinamismo, transformando o conteúdo em uma legítima aula de história do Brasil.

Nos depoimentos, é possível imaginar o sistema de isolamento compulsório ao quais esses, hoje senhores, foram submetidos por quase 40 anos e, quando foram "libertados", se viram sem escolha e acabaram tendo que reconstruir a vida sozinhos. Nem todos conseguiram e voltaram para Aimorés.

Entre tantas histórias levantadas pelos pesquisadores da USCS, os ex-internos contam como passaram quase quatro décadas confinados e revelam detalhes da convivência dentro da colônia, onde os próprios doentes exerciam diversas funções como prefeito, policial, enfermeiro, construtor, design etc. O "universo paralelo" criado – literalmente - assistiu a diversas barbáries, romances e lições de vida para estas pessoas que carregaram consigo todo o estigma da Hanseníase, doença discriminada desde os tempos bíblicos.

Com um pouco mais de 25 minutos, o documentário promove uma grande reflexão sobre a questão da discriminação que as pessoas doentes sofreram na época, além de todo o sistema imposto pelas políticas públicas, isolando e ignorando o problema da Hanseníase. E apesar do foco não ser a doença, o vídeo desmistifica o preconceito, pois além de ser uma pequena porcentagem dos infectados que podem transmiti-la, existe a cura e o enfermo pode buscar o medicamento em postos de saúde, logo o estigma gerado sobre a contaminação, e conseqüentemente o isolamento, não é verdadeiro. E toda esta falta de informação é uma das causas do Brasil ter o segundo pior índice de hanseníase do mundo, preocupando a classe médica por conter números surpreendentes de brasileiros infectados.

O documentário "A Última Morada – A História do Asilo-Colônia Aimorés" pode ser consultado no campus I da USCS (av. Goiás, 3.400 – S.C. do Sul).

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também