Dor de Cabeça atinge grande parte dos brasileiros

Dor de Cabeça atinge grande parte dos brasileiros

Atualizado: Terça-feira, 20 Maio de 2008 as 12

Quem nunca sentiu dor de cabeça, que atire a primeira pedra. A cefaléia é um problema freqüente entre homens e mulheres. De acordo com um estudo realizado por neurologistas em todo o Brasil, 87% da população nacional tem pelo menos uma crise de dor de cabeça ao ano. Em decorrência desta alta prevalência, os pacientes acabam procurando automedicação, o que, em muitas situações, acaba agravando o problema, principalmente porque retarda um correto diagnóstico.

Segundo o neurologista e cefaliatra (especialista em dores de cabeça) do Hospital VITA Curitiba, Elcio Juliato Piovesan, existem casos, inclusive, em que o uso freqüente de analgésicos acaba causando a dor de cabeça. "Se uma pessoa toma mais de dois dias por semana analgésicos sem orientação médica, isso já é um alerta do perigo que ela pode estar causando para o organismo", explica.

A cefaléia indica alguma desordem no cérebro ou ao seu redor e sua causa é dividida em dois grupos. O tipo primário é quando a dor de cabeça tem relação direta com a doença, como no caso das enxaquecas. Já a cefaléia secundária é quanto a dor é um sintoma de outra doença, como meningite, problemas visuais, sinusite ou aneurisma cerebral.

Ainda segundo o estudo, 18% das mulheres têm enxaqueca com freqüência, principalmente devido à menstruação. "A enxaqueca é uma dificuldade que o cérebro tem em se adaptar a situações novas da rotina, como mudança de temperatura ou de hábitos alimentares", afirma Piovesan.

Já a cefaléia do tipo tensional, que tem relação com o estresse e é causada pela tensão dos músculos ao redor da cabeça, é duas vezes mais comum nos homens que nas mulheres.

O tratamento das cefaléias, dependendo de cada caso, pode ser feito basicamente de três formas: com uso de medicamentos diariamente (não analgésicos); com analgésicos apenas na hora da crise ou tomando remédio antes de realizar atividades que desencadeiam a dor.

Postado por: Claudia Moraes

veja também