E se for Alzheimer?

E se for Alzheimer?

Atualizado: Quinta-feira, 17 Março de 2011 as 3:56

Você tem dificuldade para memorizar e armazenar informações novas? Problemas para se lembrar de palavras simples do cotidiano? Realizar atividades simples, como lavar a louça, passou a ser difícil? Anda confundindo o rosto das pessoas conhecidas? Pode ser Alzheimer – doença degenerativa e progressiva que atinge o cérebro resultando, inicialmente, na perda da memória. Porém, a enfermidade não é caracterizada apenas pelo esquecimento e alguns outros indícios podem ajudar a identificá-la.

“Os sintomas da Doença de Alzheimer (D.A.) podem ser confundidos com estresse ou fadiga”, afirma a neurologista Márcia Lorena Fagundes Chaves, chefe do serviço de neurologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. “Mas, quando um membro da família, principalmente se for idoso, apresenta dificuldades de memória persistentes, alterações no padrão funcional, mudanças no comportamento, problemas de linguagem e até mesmo dificuldades motoras, ele deve ser avaliado independente da causa ”, orienta.

Ao perceber os primeiros sinais da doença, o paciente deve se submeter a uma avaliação médica. “O diagnóstico pode ser feito pelo clínico que já conhece o paciente e, se necessário, ele deverá ser encaminhado para um atendimento especializado”, explica Márcia. “Mas a avaliação pode ser feita diretamente por um neurologista, psiquiatra ou geriatra”, informa a especialista. Exames físicos e laboratoriais, testes cognitivos, exames com imagens cerebrais e até mesmo o histórico do paciente são analisados para melhor diagnosticar o Alzheimer.

A progressão da D.A. geralmente é lenta e na fase inicial pode passar despercebida, por isso é importante saber reconhecer os primeiros sintomas. Infelizmente, a causa da doença ainda é desconhecida e não há cura, porém, já existem tratamentos medicamentosos que retardam a evolução do Alzheimer e outros que minimizam os distúrbios no humor e comportamento. Dentre eles, os inibidores da acetilcolinestinesterase, que atrasam de forma significativa o declínio da função cognitiva em pacientes com D.A. leve a moderada. Neste grupo, Eranz (cloridrato de donepezila) é o único medicamento indicado para todas as fases da doença. Vale lembrar que se iniciado já na fase leve da doença, durante o surgimento dos primeiros sintomas, o tratamento terá resultados ainda melhores. Contudo, o médico deve ser sempre procurado para avaliar e indicar o tratamento mais adequado para cada paciente.

veja também