Em maratonas, poluição prejudica desempenho das mulheres

Em maratonas, poluição prejudica desempenho das mulheres

Atualizado: Segunda-feira, 8 Março de 2010 as 12

A má qualidade do ar prejudica a saúde e, de acordo com uma pesquisa do Instituto Politécnico da Universidade Estadual de Virgínia, nos Estados Unidos, ainda pode atrapalhar o desempenho de atletas em maratonas. Nesse quesito, as mulheres são mais afetadas que os homens.

A conclusão vem da análise dos resultados de sete corridas (de cidades grandes como Nova York, Boston e Los Angeles), dados meteorológicos e concentrações de poluentes.

A pesquisa comparou os três principais tempos de percurso masculinos e femininos e os confrontou com os níveis de poluição, levando ainda em consideração as altas temperaturas, que dificultam o exercício.  

Na pesquisa, maiores taxas de partículas no ar foram associadas a lenta execução da maratona por mulheres, enquanto os homens não se mostraram significativamente afetados

A diferença, segundo o site Medicine and Science in Sports & Exercise, onde a pesquisa foi publicada, pode acontecer por conta da traqueia feminina ser menor, o que torna mais fácil que certas partículas se depositem lá e, eventualmente, causem irritação.

As partículas pareceram ser os únicos fatores que alteram os resultados das provas.

As quantidades de monóxido de carbono, ozônio, dióxido de nitrogênio e dióxido de enxofre não causaram impactos.

Pesquisas anteriores do mesmo instituto mostraram que durante uma corrida, os atletas inspiram e expiram aproximadamente o mesmo volume de ar que uma pessoa sedentária ao longo de dois dias.

Portanto, os corredores estão expostos a quantidades muito maiores de poluentes do que em condições de respiração normal.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também