Entenda como é a rotina de quem sofre de psoríase

Entenda como é a rotina de quem sofre de psoríase

Atualizado: Segunda-feira, 12 Setembro de 2011 as 11:18

Quando finalizava os detalhes para seu casamento com o jogador de basquete Kris Humphries, Kim Kardashian foi diagnosticada com psoríase. A apresentadora comentou no Twitter que tem testando alguns remédios para combater a doença. "OK. Estou testando um novo creme para tratar a psoríase esta semana. Espero que isto funcione! Estarei compartilhando as boas notícias com vocês", disse a seus seguidores.

"A psoríase é uma doença crônica da pele que causa lesões escamosas, grossas e inflamadas", explicou a associação de afetados Ação Psoríase. "O surgimento da psoríase representa uma predisposição genética. De fato, um terço das pessoas com psoríase tem antecedentes familiares. Mas se acredita que, além da herança, são necessários outros fatores desencadeantes", acrescentou a associação.

A Ação Psoríase aponta que um surto desta doença pode se desencadear após um traumatismo, por estresse psicológico, como consequência de processos infecciosos da pele ou das vias respiratórias, após o consumo de certos remédios ou devido a mudanças hormonais como a menstruação, gravidez ou menopausa. No entanto, "em algumas pessoas as mudanças hormonais podem provocar melhorias", explicou.

O excesso de álcool e de peso prejudica quem sofre desta doença. Além disso, as condições ambientais como as temperaturas extremas ou a presença de pó de cimento podem agravar o estado dos afetados, assinalaram os membros da Ação Psoríase. "Há uma série de medidas gerais, como uma dieta equilibrada, repouso adequado, exercício regular e uso de sabões e xampus que contenham alcatrão ou ácido salicílico, que podem ajudar a controlar os surtos", disseram os especialistas da revista Consumer.

"Para evitar as recaídas e exacerbações é conveniente controlar o estresse, reduzir a exposição solar excessiva, utilizar o banho de maneira breve, limitar a natação, evitar o ato de coçar e o atrito da roupa e frear o consumo de álcool", recomendaram.

Segundo os especialistas da página na internet medlineplus, a psoríase pode aparecer lentamente ou de maneira repentina. "Em muitos casos desaparece e depois se reativa em repetidas ocasiões com a passagem do tempo", afirmaram. "As pessoas com psoríase apresentam áreas de pele irritadas. O vermelhão é observado com mais frequência nos cotovelos, nos joelhos e no tronco, mas pode aparecer em qualquer parte do corpo. Por exemplo, pode haver áreas escamosas no couro cabeludo", explicaram estes especialistas.

Estigmatização e discriminação

"O tipo de lesão que a psoríase causa na pele (inflamação e descamação) e sua visibilidade provoca em muitos casos estigmatização e discriminação em quem a sofre, devido ao desconhecimento da patologia", afirmou Juana María del Molino, presidente da Ação Psoríase.

"Em uma sociedade como a nossa, baseada na imagem, o paciente se sente observado, o que em alguns casos pode chegar a causar ansiedade e autoexclusão", acrescentou.

A presidente desta associação considerou necessário "lembrar que a psoríase não é contagiosa em nenhuma de suas manifestações. Seu caráter crônico faz com que tenhamos que conviver com ela para o resto da vida e por isso é importante conhecê-la, assumi-la e tratá-la".

"O objetivo do tratamento se centra no controle dos sintomas e na prevenção de infecções", disseram os especialistas da medlineplus. Em geral, são utilizados três tipos de tratamento para pacientes com psoríase. Os remédios de uso tópico são um deles. A doença também pode ser combatida com remédios sistêmicos como pastilhas e injeções, que atuam em todo o corpo e não só na pele. A terceira opção é a fototerapia, na qual se usa luz para tratar esta afecção, segundo este site especializado em divulgação médica. Além do uso de remédios, os especialistas insistiram na importância do tratamento cosmético. "A pele dos pacientes com psoríase precisa de uma hidratação extra e cremes emolientes."

"Além disso, é importante recorrer à cosmética para diminuir a grossura das escamas e conseguir que os tratamentos tópicos cheguem ao cerne da lesão", disse Carmen Corpas, membro do Colégio de Farmacêuticos de Madri (Espanha).

No entanto, para os pacientes nem sempre é fácil seguir o tratamento. Segundo o "Estudo sobre o seguimento terapêutico nos pacientes espanhóis com psoríase", 84,83% dos entrevistados abandonam o tratamento e apenas 15,17% o seguem.

Tal estudo também tentou avaliar o seguimento terapêutico em função da afetação psicológica dos pacientes. Para isso, os pesquisadores passaram questionários de ansiedade, depressão e qualidade de vida. Baseando-se nestes questionários, determinaram que 52% dos pacientes com psoríase estão deprimidos e que 45% apresenta uma grande afetação da qualidade de vida.

A presidente da Ação Psoríase deu algumas recomendações àquelas pessoas que sofrem desta patologia. "A primeira medida é ir ao médico dermatologista para que ele indique o tratamento ideal e que melhor se adapte a cada tipo de psoríase", sustentou.

"O tratamento médico deve ser acompanhado do cuidado da pele à base de hidratação e de hábitos constantes em higiene e manutenção. É fundamental a constância nos tratamentos para obter os benefícios esperados", acrescentou. "Não devemos deixar que a psoríase interrompa nossa vida e assumir a doença é o primeiro passo para notar uma melhora psicológica do paciente", concluiu.

veja também