Escolha do sexo do bebê é vetada pelo novo Código de Ética Médica

Escolha do sexo do bebê é vetada pelo novo Código de Ética Médica

Atualizado: Segunda-feira, 12 Abril de 2010 as 12

A reprodução assistida é um dos temas de destaque do novo Código de Ética Médica, que será lançado na próxima terça-feira (13) pelo CFM (Conselho Federal de Medicina). Segundo o artigo 15 do código, o médico está proibido de realizá-la com o objetivo de criar seres humanos geneticamente modificados, criar embriões para fins de pesquisa ou para escolher sexo, cor de pele ou dos olhos.

Isso porque, segundo o vice-presidente do Conselho Federal de Medicina, Carlos Vital, há um consenso universal contrário a estas práticas.

- Você pode mudar o genoma humano na reprodução assistida, interferindo na geração futura da humanidade. Então, ele não pode ser alvo das manipulações genéticas, nem ser usado para fins de eugenia. Isso é um consenso universal.

A SBRH (Sociedade Brasileira de Reprodução Humana) endossa o veto. Para o diretor da entidade, Artur Dzik, autorizar estas práticas seria o mesmo que "banalizar a reprodução assistida".

- A gente não pode estar de acordo com o descarte do embrião, que é o início da vida. A tendência não é o "pode tudo", mas, sim, o pode cada vez menos.

De acordo com Dzik, a reprodução assistida deve ser voltada apenas para mulheres que têm dificuldades de engravidar, já que "é um tratamento caro no qual a mulher corre risco de gravidez de múltiplos".

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também