Especialista dá dicas para frequentar banheiro coletivo sem arriscar a saúde

Especialista dá dicas para frequentar banheiro coletivo sem arriscar a saúde

Atualizado: Terça-feira, 15 Março de 2011 as 8:23

Quem passa o dia todo fora de casa, inevitavelmente, precisa ir a um banheiro coletivo, seja no trabalho, na rua ou no shopping. Por receio de se contaminar com bactérias ou pegar alguma doença, muitas pessoas evitam beber líquidos durante o dia, mesmo no verão.

Para falar sobre os perigos que se escondem nesses locais e se existe um manual de boa conduta, esteve no Bem Estar desta segunda-feira (14) o infectologista Caio Rosenthal, que também é consultor do programa.

As mulheres geralmente são as mais preocupadas nesses casos: não encostam no vaso, forram-no com papel, lavam bem as mãos em seguida. “Você pode pegar hepatite, inflamação na bexiga”, enumerou a aposentada Clara Concilio. E quem é mãe de filho pequeno redobra os cuidados. Algumas mulheres suspendem as crianças no ar com medo de quem sentou ali, se foi uma pessoa limpa ou não.

Apesar de serem mais desencanados, os homens também prestam atenção às condições sanitárias dos banheiros. “Passo o dia na rua, justamente por isso tenho que ficar prevenido”, afirmou o office boy Antonio Carlos Nogueira.

No estúdio, Rosenthal explicou que, para levantar a tampa do vaso, é preciso usar uma folha de papel higiênico, pois não se deve encostar onde outras pessoas puseram as mãos. Usar um protetor para forrar o vaso ou limpá-lo com álcool em gel também é ideal. E, na hora de jogar o papel no lixo, deve-se abrir a tampa com um papel nas mãos, para evitar contato direto. Já as crianças devem ser seguradas, não encostar em nada e sentar sobre o vaso forrado.

Ao lavar as mãos, o melhor é usar sabonete líquido ou álcool em gel e enxugá-las com toalha de papel, pois as de pano podem passar doenças como micoses e sarna.

Todas essas medidas são necessárias para evitar doenças que têm transmissão oral-fecal, ou seja, por minúsculas partículas de fezes que involuntariamente são levadas à boca, pelas mãos. É o caso da diarreira, da hepatite A e, com menos frequência, do herpes e do HPV (vírus do papiloma humano, que pode causar câncer do colo do útero).

O infectologista destacou, ainda, que doenças sexualmente transmissíveis (DST) e infecção urinária não são adquiridas em banheiros públicos.

veja também