Especialistas definem normas para atendimento cardíaco de pacientes com câncer

Especialistas definem normas para atendimento cardíaco de pacientes com câncer

Atualizado: Segunda-feira, 25 Outubro de 2010 as 9:14

Um grupo de 30 especialistas se reuniu neste domingo (24) para definir normas sobre o atendimento cardíaco a pacientes em tratamento de câncer. O encontro definirá, até o fim do dia, um esboço das diretrizes que serão editadas pela SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia) e deverão estar disponíveis na página da entidade na internet em 40 dias. O trabalho é um dos primeiros do mundo sobre o tema.

Alguns medicamentos usados no tratamento quimioterápico podem desencadear doenças no coração, explicou o cardiologista do InCor (Instituto do Coração) Roberto Kalil Filho. Por isso, é fundamental que haja um protocolo para aumentar a interação entre os cardiologistas e oncologistas. Segundo ele, isso vai permitir “o diagnóstico das complicações cardíacas precocemente”.

A ideia, de acordo com Kalil, é que mesmo quando não for possível evitar os efeitos colaterais, se possa minimizá-los.

- Desde o momento em que você pegue esses efeitos colaterais, você vai ou mudar de quimioterápico, ou tratar o coração.

Desse modo, pode-se evitar o surgimento ou agravamento de doenças cardíacas, como ressaltou o coordenador de Diretrizes da SBC, Jadelson Andrade. Ele lembrou que caso não seja dada a atenção devida ao assunto, um paciente curado de câncer pode morrer por complicações cardiovasculares.

- É muito perverso você tratar e curar o câncer e morrer por conta de uma doença do coração.

Segundo Andrade, a maior atenção ao assunto ajudará a embasar pesquisas para ajustar os tratamentos quimioterápicos, tanto em dosagem quanto em duração, para os diversos tipos de pacientes.

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, que esteve na abertura do evento, destacou que o SUS (Sistema Único de Saúde) será um dos grandes beneficiários da formulação das diretrizes.

- Nós vamos ser os grandes usuários das diretrizes. Como o SUS é responsável pelo atendimento de praticamente 80% dos tratamentos de câncer no Brasil, essa diretriz vai ser de extrema utilidade na rede de hospitais.

Andrade espera contar com o ministério para ampliar a distribuição dos novos protocolos. Além disso, ele ressaltou que o documento final será traduzido para o inglês e enviado para o chefe do serviço de cardiopatia do Hospital MD Anderson, no Texas (EUA), Jean-Bernard Durand. A intenção é que a equipe de Durand elabore uma versão para ser distribuída também nos Estados Unidos.

- É o Brasil exportando ciência.

veja também