Estímulo magnético no cérebro é diferente de eletrochoque

Estímulo magnético no cérebro é diferente de eletrochoque

Atualizado: Quinta-feira, 5 Maio de 2011 as 11:48

Estimulação magnética no cérebro não deve ser confundida com eletrochoque ou eletroconvulsoterapia, ainda que as duas técnicas possam ser usadas para depressão.

HC testa estímulo magnético para tratar dor crônica

A eletroconvulsoterapia é indicada quando o paciente não responde aos remédios ou se a depressão é severa.

Nessa técnica, a pessoa recebe anestesia geral. Os eletrodos induzem uma corrente elétrica no cérebro que provoca a convulsão, alterando os níveis de neurotransmissores como a serotonina e a dopamina.

Já a estimulação magnética é indolor e não requer anestesia. O paciente fica acordado durante a sessão.

Segundo o neurologista Pedro Schestatsky, a estimulação magnética "nasceu" para tratar depressão, mas o eletrochoque acabou sendo mais usado para esse fim.

Para Marcos Vidal Dourado, pesquisador da Unifesp, a eletroconvulsoterapia tem efeito antidepressivo mais eficiente, apesar de efeitos cognitivos indesejáveis, como perda de memória.

Já Schestatsky diz que as duas têm a mesma eficácia.

veja também